Direto do Forno · Música

Spotlights – The Age of Decay (Single)

Confesso que não estava com a audição preparada quando apertei o play para “The Age of Decay”, novo single do Spotlights. A avalanche sonora que atingiu os meus tímpanos foi de uma força avassaladora, algo muito surpreendente para um power trio.

O Spotlights é um conjunto norte-americano que integra o catálogo da Ipecac Recordings, gravadora fundada pelo Mr. Mike Patton, uma das mais interessantes da atualidade. A banda é composta por Sarah Quinteto (vocais e baixo), Mario Quintero (guitarra, vocais e sintetizadores) e Chris Enriquez (bateria).

O disco “Love & Decay” chega por completo em 26 de abril desse ano, e somente a canção citada acima está disponível de forma oficial até o momento. Sobre ela, é um estrondo de cordas, sintetizadores e bateria que seguem a fórmula de calmaria/tempestade, alternando entre melodias mais suaves até os riffs mais pesados entrarem em cena.

Odeio escrever com exageros, mas o impacto de “The Age of Decay” foi muito forte em mim. Eu realmente adorei a canção.

Direto do Forno · Música

Brant Bjork – Guerrilla Funk (Single)

Durou quase uma década o intervalo entre a gravação e o lançamento de “Jacoozzi”, disco que Brant Bjork gravou e deixou engavetado todo esse tempo, até ser resgatado da poeira para o ouvido de seus apreciadores.

Conforme o release do selo que lançará o disco, o Heavy Psych Sounds Records, em 2010 Bjork adentrou num estúdio na região de Joshua Tree, Califórnia, e durante quatro dias gravou algumas jams sessions por conta própria. Desse improviso, saíram oito canções que o artista empacotou e as batizou como “Jacoozzi”, deixando-as numa prateleira, sem a intenção de lançá-las oficialmente.

Sentindo-se livre de qualquer tipo de pressão, Bjork afirma que tal experiência o relembrou dos tempos de “Jalamanta” seu álbum solo de estreia que chegou às lojas em 1999. “Guerrilla Funk”, o primeiro pedaço desse misterioso disco que nos é apresentado, tem sim suas semelhanças com o debut do músico.

A peça de sete minutos e meio é puro improviso funk, um experimento que peca um pouco, ao meu ver, pelo excesso. Mas pelo fato de ser uma criação com total liberdade artística por parte de Brant Bjork, executando o que ele sentia ali na hora de seus improvisos, sem se prender a estéticas ou regras, torna o resultado o tanto quanto favorável.

“Jacoozzi” chega por completo no dia 05 de abril deste ano. No final de 2018, o padrinho do stoner rock lançou “Mankind Woman”, seu mais recente disco de estúdio, e escrevi sobre o mesmo aqui.

Garimpo · Música

Garimpo: All Them Witches (Ao Vivo na KEXP – 01/02/2019)

Via KEXP, tradicional rádio norte-americana, fevereiro deu as caras em 2019 sob uma trilha sonora misteriosa e contagiante. O convidado na data foi o All Them Witches que, agora como um trio, apresentou algumas canções de “ATW”, disco mais recente do grupo, lançado no último ano.

Em plena forma e sem muita enrolação, a apresentação contou com quatro músicas somente, mas o suficiente para prender o ouvinte e deixá-lo atordoado. Um dos aspectos mais interessantes sobre o All Them Witches é misturar o rock’n’roll com texturas mais sombrias, passeando pelo garage rock, o blues e o stoner, mas sem prender-se totalmente a uma dessas vertentes.

Do tracklist, somente a faixa que encerra o programa, “Blood And Sand/Milk And Endless Waters”, não faz parte do disco “ATW”.

Sobre o trabalho mais recente da banda, escrevi sobre ele aqui.

Direto do Forno · Música

O “novo” do Nebula: Demos & Outtakes 98​-​02

A apóstrofe no título tem um motivo: o lançamento é de hoje, cravado em 25/01, mas o material que ele traz não é tão novo assim. São sobras de estúdio e demos que nunca haviam sido lançadas anteriormente pelo Nebula, figura fundamental para o rock do deserto.

“Demos & Outtakes 98-02” é composto por dez canções, sendo cinco inéditas. Uma delas é “Whalefinger”, a primeira canção escrita pelo guitarrista da banda, Eddie Glass, quando ele ainda participava de outro conjunto. À exceção de “To The Center”, faixa com forte influência psicodélica dos anos sessenta/setenta, a maior parte do tracklist é composto de canções rápidas e pesadas, com muito fuzz e distorção.

Algumas já conhecidas, como “Smokin’ Woman” e “Sun Creature” (ambas do EP “Sun Creature”, de 1998), vêm em versão demo, com uma roupagem mais crua e pesada, sendo um deleite para quem gosta de ouvir uma banda em seu estado mais natural possível. “Nervous Breakdown”, cover do Black Flag e que encerra o disco em uma versão ao vivo, é interessante por mostrar algumas das referências que contribuem para a sonoridade da banda.

Esse compilado é ideal não somente para os fãs do conjunto, mas também uma porta de entrada interessante para quem o deseja conhecer melhor. Agradeço a Heavy Psych Sounds Records por esse resgate.

1. Stagnant Pool
2. Whalefinger
3. Humbucker
4. Smokin’ Woman
5. Sun Creature
6. You Got It
7. To The Center 
8. Synthetic Dream
9. How Does It Feel To Feel
10. Nervous Breakdown (Black Flag Cover Ao Vivo)

Direto do Forno · Música

O novo do John Garcia: John Garcia and the Band of Gold

Em ordem cronológica, é seu terceiro álbum solo, mas se levarmos em conta a nova banda que o acompanha, “John Garcia and the Band of Gold” é o primeiro disco do deus-mor do rock do deserto com esse grupo. E o seu melhor trabalho desde que se desprendeu do Kyuss.

Ao todo, são onze petardos sonoros que não aliviam em nenhum momento. Quer entender melhor? Pegue os três singles disponibilizados anteriormente (“Chicken Delight“, “Jim’s Whiskers” e “My Everything“) e quadruplique-os. O disco inteiro é recheado de riffs pesados e sujos, com muito fuzz e blues, um baixo marcante e igualmente forte, acrescentados à uma bateria pungente que parece causar uma avalanche de rochas sobre o ouvinte.

Mas o fio-condutor que mantém o álbum bem nivelado do início ao fim é o vocalista e dono do projeto. O tempo fez bem à sua voz e Garcia parece mais vivo do que nunca, enérgico nos versos e agressivo nas horas certas. E é justamente esse equilíbrio entre voz e instrumentos que tornam “John Garcia and the Band of Gold” um trabalho uniforme, mantendo a intensidade desde o início instrumental com “Space Vato” até o desfecho (não se engane pelo nome) com “Softer Side”.

Se o stoner rock/metal tem, ao meu ver, uma das atividades mais produtivas da música underground, ouvir um novo disco daquele que é considerado uma lenda viva do estilo é um incentivo e tanto.


1. Space Vato
2. Jim’s Whiskers
3. Chicken Delight
4. Kentucky II
5. My Everything
6. Lillianna
7. Popcorn (Hit Me When You Can)
8. Apache Junction
9. Don’t Even Think About It
10. Cheyletiella
11. Softer Side

Garimpo · Música

Garimpo: No Idea

Procure no Youtube pelo canal “Vinyl Collector” e surpreenda-se. Dois garotos aparentemente na casa dos 15 anos tocando NA ÍNTEGRA discos como “In Utero” (1993) e “Nevermind” (1991), clássicos absolutos dos anos noventa. Em postagens mais recentes, eles até contam com a participação de um baixista, mas quem toca o projeto mesmo são os dois. Seus nomes são Carl Giannelli e Ethan Williams, e a banda chama-se No Idea.

Se falarmos em lançamentos OFICIAIS, até o momento em que vos escrevo, são apenas dois EP’s, mas o suficiente para apresentar a versatilidade deles.

O primeiro é intitulado “Your Peril”, e deu o ar das graças em 8 de julho de 2017. Apresentado pela própria banda como “ideal para fãs do Queens of the Stone Age/Kyuss, Electric Wizard, Sleep…”, é justamente esse tipo de som que você encontrará. Das quatro canções, três são instrumentais, mas todo o EP é recheado de riffs pesados e uma bateria monstruosa. Ambos os integrantes revezam nos instrumentos, ou seja, Carl e Ethan são multi-instrumentistas, o que garante mais um ponto para eles.

Em “Fungus”, o segundo EP lançado seis meses após seu antecessor, o trabalho é melhor resolvido. Carl Giannelli executa as cordas e canta, e Ethan Williams é o responsável pela bateria.

Também com apenas quatro canções, a sonoridade é muito diferente de “Your Peril”. Agora, temos guitarras menos pesadas, porém, com distorções mais sujas, remetendo às bandas da era de ouro do grunge . Além disso, todas as músicas possuem letras, sendo esse o ponto em que eles ainda podem desenvolver melhor. A julgar pelos vídeos do canal deles no Youtube, a influência do Nirvana e do Green Day (lá dos primórdios) é nítida.

Ver uma banda como o No Idea surgindo, tomando forma e aumentando, mesmo que aos poucos, seu reconhecimento é gratificante. Por serem ainda jovens, o talento deles só tende a ser desenvolvido, e espero ouvir um disco cheio em breve. Em resumo, são dois caras se divertindo fazendo música, buscando uma identidade própria e construindo sua base de admiradores.

Direto do Forno · Música

John Garcia And The Band Of Gold – My Everything (Single)

Os primeiros segundos de “My Everything” acusam: é o single mais pesado do debut do John Garcia And The Band Of Gold até então.

A canção mal começa e o ouvinte é atingido por um petardo de riffs graves e uma bateria insana que se movimentam junto à voz grandiosa de Garcia. Com o lançamento do disco cada vez mais perto, talvez esse seja seu último “pedaço” a ser disponibilizado de forma antecipada.

Ao todo, a tracklist é formada por 11 músicas. Os três singles já liberados são de alto nível, algo que deixa o ouvinte (este que vos escreve) cada vez mais animado para ouvir o trabalho por completo. Ouça aqui e aqui os singles anteriores, e abaixo o mais recente, “My Everything”.

Direto do Forno · Música

Brant Bjork – Too Many Chiefs (Vídeo)

A história da canção “Too Many Chiefs” é interessante. Originalmente, foi escrita para o primeiro disco solo de Brant Bjork, “Jalamanta” (1999), um dos clássicos do desert rock, intitulada “Too Many Chiefs… Not Enough Indians”. Em 2007, a mesma ganhou uma releitura no disco “Tres Dias”, apenas como “Too Many Chiefs”, dessa vez em formato acústico.

O selo Heavy Psych Sounds Records, que adquiriu boa parte da discografia de Bjork, disparou em seu canal no Youtube um vídeo oficial para a canção, que apresenta o artista munido somente de um violão, executando-a em um cenário bem calmo. Esse vídeo tem o intuito de divulgar o disco “Tres Dias”, que agora está disponível em versões exclusivas e limitadas de vinil colorido na loja do próprio selo.

Sobre a música em si, Brant Bjork explana:

“‘Chiefs’, como eu a abrevio, é uma das primeiras músicas que escrevi para aquele que seria meu primeiro disco solo, Jalamanta. Ela viaja comigo por quase 20 anos e agora é como um velho amigo. É uma canção bem pessoal sobre crescer no deserto e ter aquelas experiências diárias de viver em uma cidade pequena, desesperadamente tentando achar alguém para se relacionar. Tentando achar algo autêntico, algo real. Os sentimentos de ser um excluído e usar a sua frustração para abastecer os seus sonhos por algo mais espiritual do que material. O título “Muitos chefes… Poucos Índios” (tradução do título da música) é sobre a obsessão da América por “vencedores”, autoridade e falsos profetas. Sem os índios, os chefes não existiriam.”

Recentemente, Brant Bjork lançou um novo disco, “Mankind Woman”. Escrevi sobre ele aqui.

Direto do Forno · Música

O novo do Brant Bjork: Mankind Woman

Se John Garcia, um dos pilares do stoner/desert rock, anunciou um novo disco para 2019 (confira aqui), e Josh Homme atingiu uma popularidade enorme com o Queens of  the Stone Age, outra figura marcante do estilo deu as caras esse ano com um álbum repleto de influências e viagens sonoras.

Falo de Brant Bjork, ex-baterista do Kyuss e responsável por uma prolífica e elogiada carreira solo. “Mankind Woman” é o nome de seu trabalho mais recente, que chegou à Terra pela Heavy Psych Sounds Records no dia 14 de setembro. O nome da gravadora tem tudo a ver com o som produzido no disco: uma pesada e psicodélica viagem sonora.

Ao contrário dos seus ex-companheiros (e da maioria das bandas da cena), Bjork adota uma sonoridade mais influenciada pelo hard rock dos início dos anos 70 e do funk, mesclando riffs pesados com um groove à la Funkadelic. Dessa forma, ele atinge não só os admiradores que curtem um som mais “porrada”, mas também aqueles que curtem canções mais lisérgicas.

A faixa que abre o disco, “Chocolatize”, segue bem nessa linha de peso com psicodelia, ainda mais com um videoclipe bastante viajado.

Essa mistura também rende outras canções muito boas, como “Pisces”, a minha preferida, “Swagger & Sway” e a faixa-título. A maior parte das linhas de guitarra do disco são conduzidas pelo wah-wah, garantindo um funk de primeira, como a instrumental “Somebody”, talvez a mais viajada de todo o álbum.

No release do disco, presente no site oficial do artista, o termo “D-Funk”, algo como desert funk, é usado como uma das possíveis classificações de “Mankind Woman”. Ao ouvi-lo algumas vezes, afirmo que essa definição é certeira. Pegue um power trio furioso setentista e acrescente uma guitarra extra do Michael Hampton. É dessa fonte que surge o novo trabalho de Brant Bjork.

1. Chocolatize
2. Lazy Wizards
3. Pisces
4. Charlie Gin
5. Mankind Woman
6. Swagger And Sway
7. Somebody
8. Pretty Hairy
9. Brand New Old Times
10. 1968
11. Nation Of Indica

Direto do Forno · Música

John Garcia And The Band Of Gold – Jim’s Whiskers (Single)

“Jim’s Whiskers” é o mais recente single lançado por John Garcia e seu novo projeto, “The Band of Gold”. Cada vez mais perto da chegada do debut do grupo, presenciamos mais uma vez um punhado de riffs pesados acompanhando os rugidos únicos daquele que é considerado a grande voz do stoner rock.

Um videoclipe muito bem produzido também foi lançado na página da Napalm Records, selo por onde o disco será lançado, no Youtube. Na história, um rapaz atravessa de skate toda uma cidade, com um par de tênis em volta do pescoço. Quando chega no seu destino, o ritmo da música aumenta e acelera ainda mais a tensão do espectador, afinal, é inesperado o que acontece em sequência. Muito emocionante.

A nova banda de Garcia aparenta estar em pleno entrosamento e sua voz continua com a todo vapor.

Confira aqui o primeiro single disponibilizado para audição, bem como informações sobre o disco.