Garimpo · Música

IGOR (Ou A Julgar Pela Capa)

É fim de ano e os veículos musicais ficam afoitos para soltarem suas listas de “melhores do ano”, listas essa que, sabemos, são recheadas de jabá, camaradagem e que pouca coisa realmente difere uma da outra. Mesmo assim, dá pra pincelar aqui e ali um disco que passou batido durante o ano e colocar a audição em dia.

O Floga-se faz anualmente o serviço de compilar essas listas em uma única página, facilitando a vida do leitor. Estava eu dando uma olhada e nada chamou minha atenção, até eu me deparar com essa capa:

tyler-the-creator-igor

Nunca me interessei por uma música sequer do Tyler, The Creator, mas essa capa me pegou em cheio. Monocromática, ambígua e melancólica. IGOR é o nome do disco, e foi escolhido por um site como o melhor do ano. Dei uma chance e a experiência foi… Diferente.

Havia um tempo que não ouvia um disco de rap. Ouvi Blonde, do Frank Ocean, na época de seu lançamento (2016) com o hype altíssimo, e quebrei a cara pela alternância de bons e maus momentos. Mas com IGOR foi diferente, a produção é ótima e o álbum não possui excessos. São doze faixas que, à pedido do próprio artista, devem ser ouvidas em sequência, para que funcionem como uma única e longa história de um personagem afogado em uma paixão doentia, cheia de mágoas, raiva, desespero e que ao final, busca por alento.

É um prato quente para quem gosta de versos pesados, precisos e batidas e samples bem construídos. Certamente irei atrás de mais material desse rapaz.

Crônicas · Língua Presa · Música

Dor

Aproveitando o gancho que o canal oficial do Nick Cave me deu ao subir no Youtube uma performance incrível de “Magneto”, vou finalizar esse rascunho que está há meses parado aqui no meus arquivos. Chama-se “Dor”.

Dor porque é através dela que, creio eu, os artistas tiram o melhor de seus talentos. Certa vez (isso tem anos), ao comentar com minha esposa que não conseguia escrever ou tocar quando estava triste, ela me deu esse soco na consciência:

-Bem, então você nunca irá gravar o seu melhor disco.

Posso citar Kurt Cobain, Elliott Smith, Damon Albarn e tantos outros que extraíram o pior de seus eus para criar obras incríveis, mas foi a perda de Nick Cave que me instigou a escrever esse texto.

Em julho de 2016, um de seus filhos, Arthur, então com 15 anos, caiu de um penhasco na Inglaterra e veio a óbito. Cave não concedeu nenhuma entrevista a respeito do ocorrido durante os dias de luto. Pelo contrário, respondeu todas suas perguntas em forma de música ao lançar Skeleton Tree no mesmo ano. E mesmo sem mencionar o acidente de forma direta nas letras, as referências são claras.

“Magneto” é a canção mais cortante do disco, daquelas em que o artista deixa seu coração totalmente exposto à quem quiser ver. Porém, toda a obra funciona como um cicatrizador para a ferida que dificilmente se fechará por completo.

Charles Bukowski escreveu em um poema sobre o que é ser um escritor, e para ele, as palavras devem sair até de suas entranhas, quase explodindo o seu interior. É como uma lava cutucando a borda de um vulcão, suplicando para encontrar a luz do dia.

Alguns músicos são verdadeiros escritores antes de serem, propriamente, músicos. Nick Cave é um deles. E meu favorito.

Crônicas · Diversos · Língua Presa

Vazio

Penso em festas, bares, reuniões, festivais, protestos, bolsas de valores, redações de jornais, tumultos, casamentos, eventos esportivos e os mais variados tipos de aglomerações, enquanto permaneço deitado nessa cama e a minha única companhia é um pequeno feixe de luz que adentra o quarto pelo furo da cortina, pensando o que estou fazendo com minha vida, observando ela se esvair com o vento que sopra a terra da rua lá fora.

Penso no trajeto percorrido nas noites solitárias de volta para casa, nas bitucas de cigarros jogadas pela janela do carro enquanto passeio pela cidade viva e fervente e meu reflexo no retrovisor me aconselha: não há conforto nesse mundo.

E cada bituca daqueles cigarros que joguei pela janela do carro espalham cidade afora um pouco de mim. Palavras que disse, palavras que não disse, beijos que dei, ideias que tive, cicatrizes da existência que permeiam as minhas veias e que agora estão escancaradas pelo asfalto. O meu “eu” mais particular aberto para quem quiser ver.

Mais tarde, após horas na penumbra, o renascimento. Um banho para lavar a alma. Junto à água e o shampoo que escorrem pelo meu corpo, vejo descer pelo ralo, também, um pouco de mim. Da minha pele, dos meus olhos, da minha boca e de toda a minha estrutura, um pouco vai embora junto às impurezas. Ao final, toda a escuridão se esvai, e sobra apenas o vazio.

(Escrevi esse texto três dias depois de passar horas deitado no meu quarto, em uma crise profunda de tristeza. A escrita salva vidas.)

Direto do Forno · Música

Ruby Haunt – Jeune (Single+Vídeo)

The Middle of Nowhere, o próximo disco do Ruby Haunt, chega por completo no fim desse mês, e para que o ouvinte tenha uma mínima noção do que esperar, uma segunda dose foi liberada para a audição.

Ouvir “Jeune” é como embarcar em um navio rumo à melancolia, daquela que, dependendo do estado, devasta o ser por dentro. Acompanhada de um videoclipe igualmente nostálgico, trinca até os corações mais sólidos e impenetráveis.

“What took you so long to figure it out?”