Direto do Forno · Música

Wax Chattels – No Ties (Single)

A Wax Chattels é uma banda da Nova Zelândia que prepara o lançamento de seu segundo disco de estúdio, Clot, para o final de setembro desse ano, através do selo Captured Tracks.

A banda faz um post-punk agitado e raivoso, bem resumido em “No Ties”, o primeiro single desse novo trabalho. São dois minutos de porrada, o tipo de música que não rodeia e vai direto ao ponto, na mira certa onde quer chegar.

Por ser um trio, o charme vai um pouco além, pois para fazer um petardo desse com apenas uma guitarra, baixo e bateria, é porque seus integrantes são competentes.

 

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Protomartyr e o Meme Brasileiro

Assisti Bandidos Na TV recentemente e fiquei de cara com o tanto de plot twist que aconteceu na história toda. Nem o mais refinado roteirista de Hollywood seria capaz de desenrolar algo tão bizarro e impactante.

Não entrarei em detalhes sobre a série documental, mas apenas para que o leitor tenha um norte, ela trata sobre o Caso Wallace, que foi um desenrolar de acontecimentos ocorridos em Manaus que envolveu o político Wallace Souza e vários crimes. Wallace foi apresentador do Canal Livre, programa policial líder de audiência no Amazonas, e graças à fama, entrou para a política. Veja a série, vale muito a pena.

Voltando ao tópico principal, um dos memes mais engraçados da internet brasileira vem justamente do Canal Livre, que foi a briga entre o fantoche Galerito e o Gil da Esfiha, participante assíduo da plateia. Em um belo dia, durante uma apresentação do cantor Nunes Filho, Galerito foi provocar o Gil e o pau quebrou. O vendedor de esfihas não aceitou a brincadeira e partiu pra cima do fantoche, o que causou uma confusão generalizada AO VIVO, deixando muita gente perplexa e gerando muitas risadas… Menos Nunes Filho, que manteve a compostura e continuou sua apresentação como se nada estivesse acontecendo.

Essa foi a situação que inspirou o videoclipe de “Processed By The Boys”, do Protomartyr. A canção foi lançada em 11 de março, como single do próximo álbum do grupo, Ultimate Success Today, com lançamento marcado para julho. É interessante o contraste do vídeo, cujas atuações beiram o lado cômico da situação, mas a música em si é melancólica, pesada e com letras sombrias.

Confira abaixo.

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Malcontet – Rest In Noise

Para deixar nossos dias de distanciamento social injetados com boa música, esse garimpo é daqueles que merecem ser ouvidos com o volume alto. O Malcontent faz um noise rock de qualidade, colocando muito do shoegaze e do pós-punk num liquidificador e criando um som moderno, pesado e barulhento, no bom sentido.

Rest In Noise é um álbum ao vivo lançado há quatro dias em sua página no Bandcamp, referente a um show realizado na cidade de Porto, em Portugal, em dezembro de 2018.

O áudio está impecável, limpo e bem editado, mostrando toda a força da banda quando sobe em um palco.

À efeito de créditos, o Malcontent foi a segunda banda portuguesa de noise rock que conheci no Floga-se. A outra é o The Melancholic Youth of Jesus, que já escrevi sobre aqui algumas vezes.

Começar o dia com Rest In Noise ecoando pela casa é como recompor o gás para o restante da rotina. Caiu por aqui em um momento essencial.

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: The National – Never Tear Us Apart (INXS Cover)

Devido aos acontecimentos recentes na Austrália, uma galera boa se reuniu para gravar um tributo em prol de toda a causa. A proposta do disco Songs For Australia é que cada participante faça um cover de alguma canção australiana. A grana arrecadada será para ajudar o país a se reerguer após os desastres ambientais que comoveram o planeta.

O The National carimbou sua participação ao regravar “Never Tear Us Apart”, clássico do INXS, com uma versão happy-sad gostosa de ouvir. O disco completo sai daqui dez dias e você confere mais informações sobre ele aqui.

Direto do Forno · Música

O novo do Iggy Pop: Free

A parceria com Josh Homme parece ter feito bem para a mente de Iggy Pop. Passados três anos desde Post Pop Depression, eis que chega ao mundo Free, seu décimo oitavo disco em carreira solo, com uma banda renovada e um estilo diferente.

As guitarras foram deixadas de lado e metais tornaram-se os fios condutores do álbum, uma semelhança com Blackstar, do David Bowie, que o ouvinte mais atento notará com facilidade. Além disso, o ar melancólico e meio noir traz uma faceta de Iggy que contrasta com sua figura selvagem e raivosa.

Após a abertura com a faixa-título, onde o artista escancara seu desejo de liberdade com um instrumental quase ambient, a trinca dançante happy-sad “Loves Missing”, “Sonali” e “James Bond” vem logo em seguida como o ponto mais alto do disco, sendo a última, talvez, uma das melhores canções de toda sua carreira.

Na segunda metade, o disco entra em uma espiral depressiva. A exagerada “Dirty Sanchez” não é tão atrativa, mas “Glow In The Dark” compensa em sequência. Para os fãs de poesia, “We Are The People”, com letra do Lou Reed, “Do Not Go Gentle Into That Good Night” (um poema de Dylan Thomas) e “The Dawn” são três peças de spoken word que finalizam o álbum de forma primorosa.

Com uma carreira de cinco décadas, Iggy Pop não precisa mais da aprovação de ninguém e pode fazer o que bem entender com sua música. Ele é livre, e tal liberdade nos brindou com um disco de alto nível. Como eu disse há alguns meses, que esse não seja o seu epitáfio, como Blackstar foi para seu amigo Bowie.

1. Free
2. Loves Missing
3. Sonali
4. James Bond
5. Dirty Sanchez
6. Glow in the Dark
7. Page
8. We Are the People
9. Do Not Go Gentle Into That Good Night
10. The Dawn

 

Garimpo · Música

Ex:Re, Ex Hex e FEELS

Três discos de grupos da atualidade (e liderados por mulheres) para ficar de olho.

O Ex:Re, projeto da Elena Tonra (Daughter) é mais melancólico, enquanto o Ex Hex e o FEELS são mais sujos.

São discos que funcionam em qualquer momento, seja no trajeto para o trabalho ou no conforto do seu sofá. Ou da cama, se preferir.

O repeat é garantido.

Ex:Re – Ex:Re

Ex Hex – It’s Real

FEELS – Post Earth

 

 

Crônicas · Língua Presa · Música

Dor

Aproveitando o gancho que o canal oficial do Nick Cave me deu ao subir no Youtube uma performance incrível de “Magneto”, vou finalizar esse rascunho que está há meses parado aqui no meus arquivos. Chama-se “Dor”.

Dor porque é através dela que, creio eu, os artistas tiram o melhor de seus talentos. Certa vez (isso tem anos), ao comentar com minha esposa que não conseguia escrever ou tocar quando estava triste, ela me deu esse soco na consciência:

-Bem, então você nunca irá gravar o seu melhor disco.

Posso citar Kurt Cobain, Elliott Smith, Damon Albarn e tantos outros que extraíram o pior de seus eus para criar obras incríveis, mas foi a perda de Nick Cave que me instigou a escrever esse texto.

Em julho de 2016, um de seus filhos, Arthur, então com 15 anos, caiu de um penhasco na Inglaterra e veio a óbito. Cave não concedeu nenhuma entrevista a respeito do ocorrido durante os dias de luto. Pelo contrário, respondeu todas suas perguntas em forma de música ao lançar Skeleton Tree no mesmo ano. E mesmo sem mencionar o acidente de forma direta nas letras, as referências são claras.

“Magneto” é a canção mais cortante do disco, daquelas em que o artista deixa seu coração totalmente exposto à quem quiser ver. Porém, toda a obra funciona como um cicatrizador para a ferida que dificilmente se fechará por completo.

Charles Bukowski escreveu em um poema sobre o que é ser um escritor, e para ele, as palavras devem sair até de suas entranhas, quase explodindo o seu interior. É como uma lava cutucando a borda de um vulcão, suplicando para encontrar a luz do dia.

Alguns músicos são verdadeiros escritores antes de serem, propriamente, músicos. Nick Cave é um deles. E meu favorito.

Direto do Forno · Música

Current Affairs – Buckle Up/Worlds In Crisis (Single)

No início do ano, escrevi sobre o Current Affairs (aqui), um conjunto escocês de post-punk que impressiona pela curta e rica discografia.

Eles continuam sem lançar um disco completo, mas acaba de chegar mais um single, “Buckle Up/Worlds In Crisis”, gravado em abril do ano passado e só agora disponibilizado de forma oficial.

Se você gostar dos outros singles, também curtirá esse. Sem tirar nem por, a mesma essência.

Direto do Forno · Música

Dois EP’s do The Melancholic Youth of Jesus

Julgo importante colocar aqui que descobri o The Melancholic Youth of Jesus por uma entrevista do Carlos Sérgio, idealizador do projeto, concedida ao Floga-Se, talvez o site musical que mais acompanho há anos.

Pense no Jesus and Mary Chain (fase Psychocandy) saindo de Portugal. Só que muito, muito mais obscuro.

Recentemente, a extensa discografia do conjunto ganhou alguns integrantes: dois EP’s com três canções cada, cujo lançamento de um foi ontem, 10/06, e outro hoje.

Social Suicide é mais sombrio e hermético, como um espaço vazio e escuro. Gloominati, em contraste, soa etéreo. É como se ambos se completassem.

A dualidade e capacidade de renovação em um espaço de tempo curto são encantadoras.

Diversos · Língua Presa · Música

Domingo de Páscoa

“Domingo de Páscoa”, do álbum Só Vive Duas Vezes, do Fellini. Já escrevi um breve texto sobre o disco aqui.

Cadão Volpato é ótimo em criar cenários em suas canções, mesmo com letras tão desconexas. E a canção tem tudo a ver com o feriado do final de semana.

O blog retorna após o mesmo, na segunda. E lembre-se: depois do domingo de páscoa, a segunda é o dia. Tudo volta ao normal.

“Depois do Domingo de Páscoa,
Segunda é o dia
Olhar uma por uma todas as quaresmeiras
É só o galo cantar e acordar o seu Pinto
Não é todo dia que se tem a vida inteira
O sol se levanta quando alguém cai da cama
As mulheres correndo que o ônibus vem vindo
Os judeus numa boa e os cachorros latindo”