Língua Presa · Música · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #12: Bring It On Down

Futebol e música andam de mãos dadas tem um bom tempo. Canções de torcida, hinos, músicas na cultura pop (tem aquela do Skank, tem a do Fio Maravilha, etc.), enfim, o que não faltam são exemplos de como essas duas paixões se unem.

Tem um caso que gosto bastante, que é o fanatismo dos irmãos Gallagher pelo Manchester City. Pode-se dizer que ali são torcedores raiz mesmo, daqueles que apoiam o clube em qualquer momento e que odeiam com todas as forças o maior rival.

Tava assistindo hoje Manchester City x Real Madrid pela Champions League e como os jogos estão ocorrendo de portões fechados, dá pra ouvir quase tudo que se fala em campo. Durante o intervalo da partida, deu pra ouvir que nos alto-falantes do Etihad Stadium tava tocando “Bring It On Down”, uma das músicas mais rock’n’roll do Oasis, presente no Definitely Maybe, de 1994.

Não dá pra afirmar que isso afetou em algo, mas o City venceu por 2×1 e avançou de fase. E para mim, é um dos candidatos mais fortes ao título, apesar de não gostar nem um pouco dele e da outra modinha chamada PSG, também um forte candidato.

Diversos · Língua Presa · Música

Cadeira de Balanço

Minha mãe adorava “Rockin’ Chair”, do Oasis, mesmo entendendo apenas o all my life de uma das estrofes.

Presente na coletânea The Masterplan, de 1998, é uma canção enérgica, empolgante e que transmite um prazer em estar vivo que dispensa qualquer entendimento de inglês para se sentir bem. Parte dessa beleza vem da voz de Liam Gallagher, que atingiu seu auge no final da década de noventa.

Ouvi-la hoje em dia é como sentir a presença dela no mesmo ambiente.

Alguns anos mais tarde, Rod Stewart incluiu uma versão cover em sua coletânea The Rod Stewart Sessions 1971–1998, de 2009. Incrivelmente, ficou muito boa.