Quarta Parede

Episódio 8

Para quem esperava, enfim, por alguma resposta, a terceira temporada de Twin Peaks trouxe mais dúvidas do que certezas. Claro que a nostalgia veio junto com a expectativa, mas certo é que esse revival teve uma abordagem bem diferente da original, que já falei sobre aqui.

O oitavo episódio deixou bem claro que Lynch tinha mais liberdade artística para contar a sua história. Pelo que entendi, foi, de certa forma, um bomba atômica que desencadeou o espírito maligno Bob. E todo o surrealismo e desconforto sonoro que vemos durante boa parte desse fragmento da trama é digno de um: “PUTA QUE PARIU, QUE PORRA É ESSA QUE ACABEI DE VER?”

Se você procurar pela internet agora, verá que alguns “gênios” se acharam no dever de tentar explicar tudo o que acontece, sendo que o mais gostoso da obra de Lynch é tirar as suas próprias conclusões, isso quando elas são possíveis. O melhor mesmo é adentrar no seu universo non-sense e deixar-se levar pela correnteza de ideias tortas.

Para completar, o convidado musical da vez foi o Nine Inch Nails, com “She’s Gone Away”, um pedido do próprio David Lynch à Trent Reznor.

Uma verdadeira aula de arte.

Quarta Parede

Twin Peaks

Boardwalk Empire, Mad Men, Peaky Blinders, The Wire, Lost, Stranger Things, etc.

É provável que nenhuma dessas e várias outras superproduções televisivas das últimas duas décadas existissem se não fosse por Twin Peaks, série criada por David Lynch e Mark Frost que estreou em 1990, durou duas temporadas, ganhou um revival em 2017 e que mudou para sempre a história da TV mundial.

Por aproximar o cinema da televisão e construir um único filme dividido em trinta episódios (considerando as duas primeiras temporadas somente), Twin Peaks encanta por uma variedade de fatores:

  • Uma trama misteriosa e atraente, cheia de reviravoltas, surpresas e emoção;
  • Vários personagens, dos principais aos secundários e até os coadjuvantes, que por algum momento possuem um enfoque/história paralela que complementam a história;
  • As famosas femme fatales que trazem um charme à mais ao seriado;
  • A maravilhosa trilha sonora de Angelo Badalamenti;

E tantos outros detalhes que completam o universo da trama.

Porém, nada do que foi citado supera aquele que considero o ponto mais alto do seriado: Dale Cooper, o personagem mais charmoso da história da TV, brilhantemente interpretado por Kyle MacLachlan.

Além de seu notável vocabulário e sua fixação por cafeína, o personagem chama a atenção por sempre analisar as situações além do que elas aparentam ser. Em muitos momentos, com uma digna dose de nonsense, Cooper convence a todos de que a solução de um caso está em um sonho, em uma visão ou apenas pela intuição.

No entanto, o que fez Dale Cooper entrar no meu hall de personagens favoritos são os seus ensinamentos. Não, não, nada de coach ou guru intelectual por aqui. São diálogos ou monólogos com opiniões bem peculiares a respeito de um determinado assunto que, mesmo que seja banal, soa enriquecedor ao intelecto. Veja abaixo e, se possível, assista Twin Peaks. Nunca mais sairá da sua cabeça.

Diversos · Língua Presa · Música · Quarta Parede

O Homem da Tela e o Homem do Machado

Não sai da minha cabeça a ideia de que o sexto episódio da terceira temporada de American Horror Story, The Axeman Cometh, teve uma leve inspiração em “Screen Man”, do Failure.

Eu sei que é só um devaneio sem sentido e que ambas as obras não tem ligação alguma, mas, na minha cabeça, as duas peças se complementam em uma só.

A imagem do Homem do Machado caminhando por New Orleans durante uma noite movimentada, à procura de sua próxima vítima e que, de repente, rompe com a quarta parede e olha atentamente nos olhos do espectador, tira o seu saxofone e toca as suas tristes e solitárias notas antes de cometer mais um crime, e você se espanta ao saber que ele pode ser qualquer pessoa, até mesmo o vizinho da porta ao lado, e você pisca os olhos rapidamente para ter certeza de que não é uma alucinação e… você acorda.

Admita: é um delírio e tanto.