Direto do Forno · Música

O Novo do Tricky: Fall To Pieces

Desde a criação de seu selo próprio, o False Idols (2013), Fall To Pieces é o melhor lançamento do Tricky. E vou além: é o melhor trabalho do cara desde o Blowback, lá de 2001.

Atormentado pela morte de sua filha Mazy Topley-Bird, Tricky descarrega suas dores e esperanças em letras que em alguns momentos soam confusas, mas que possuem versos muito claros para quem está passando por um processo de luto.

Ainda há vestígios do seu recente flerte com a club music, como a abertura do álbum, “Thinking Of”, “Chills Me To The Bone” e “Fall Please”, uma das minhas preferidas. Porém, Fall To Pieces lembra mais os trabalhos de sua era de ouro, como o Pre-Millenium Tension (1996) e o Angels With Dirty Faces (1998), cuja abordagem era mais obscura.

A diferença é que aqui em Fall To Pieces o mais importante não é a batida que encabeça cada uma das canções, mas o que Tricky diz, seja através de sua própria voz ou das duas cantoras que, maravilhosamente, o apoiam no disco: Oh Land e Marta.

Em “Hate This Pain”, ele é bem claro: “what a fuckin’ game, I hate this fuckin’ pain” (que jogo de merda, eu odeio essa droga de dor). Mas em alguns minutos antes, ele mostra que não quer perder essa batalha, quando entoa “don’t let it get you down” (não deixe que isso te derrube) em “Close Now”.

Talvez a que mais explicite o motivo de sua dor, mesmo que não de forma tão direta, seja “I’m In The Doorway”, disparada a que mais gostei. É como se os versos fossem ditados pela sua própria filha em outro plano:

“Ended in the bayou. Would you think to free me?
I can only sense things into something sort of…
(…)
I’ll bring you greetings and hidden meanings.
Can you hear me breathing? Can you feel me leaving into something sort of?”

(“Terminou no bayou. Você pensaria em me libertar?
Posso apenas sentir coisas em algo como…
(…)
Trarei comprimentos e sentidos escondidos.
Você me ouve respirar? Você pode ver eu me transformando em algo como…?”)

Há tempos não me empolgava tanto com um disco do Tricky. Uma pena que seja em um momento tão delicado de sua vida. Mas é isso que grandes artistas fazem: em seus momentos de maior vulnerabilidade, transformam toda essa turbulência em obras primorosas.

1. Thinking Of
2. Close Now

3. Running Off
4. I’m in the Doorway
5. Hate this Pain

6. Chills Me to the Bone
7. Fall Please
8. Take Me Shopping
9. Like a Stone

10. Throws Me Around
11. Vietnam

Garimpo · Música

Garimpo: Nine

Para comemorar o seu aniversário de nove anos, o selo britânico Insight Music lançou uma coletânea interessante: nove singles inéditos, reunindo os artistas mais influentes de seu catálogo.

Como o selo é focado em música eletrônica e suas vertentes, prepare-se para entrar em uma viagem sonora de muita paz e tranquilidade. E o melhor de tudo é a opção de pague quanto puder, o que torna acessível uma obra de tamanha qualidade.

Para os fãs ou curiosos de downtempo, chillout, música ambiente, trip hop e até um pouco de lo-fi hip hop, essa coletânea é uma joia rara.

Direto do Forno · Música

Emancipator – Labyrinth (Single)

Contrariando o sentido mais conhecido de um labirinto, a música do Emancipator não deixa o ouvinte perdido e nem tem a intenção de desorientá-lo. Seus versos em forma de batidas orientam, acalmam, trazem respiro a quem os ouve. E emociona.

A sensação é de voar entre os pingos da chuva, ver o mundo inteiro do alto, sem interferência urbana alguma. No labirinto do Emancipator não há buzinas, vozes altas, fumaça, pressa, ansiedade, não há qualquer resquício dessa vida moderna que nos aprisiona.

“Labyrinth” é o primeiro fragmento de Mountains of Memory, o novo disco do artista, que sairá do forno em 20 de abril, pela Loci Records.

Para quem acompanhou seu último trabalho, o EP colaborativo com o 9 Theory (leia sobre aqui), é possível ter uma noção do que virá nesse novo disco.

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Lou Karsh – Against The Flames EP

Admirável e importante a iniciativa do Lou Karsh, artista australiano que vê seu país enfrentar um verdadeiro apocalipse ambiental, com danos enormes e irreparáveis.

Para levantar fundos e ajudar ao combate dos incêndios na Austrália, o rapaz soltou um EP com quatro ótimas músicas intitulado Against The Flames, e destinará toda a renda das vendas para o combate ao desastre.

Inserido na vertente eletrônica, Lou Karsh mescla várias vertentes do estilo em seu trabalho, variando entre trechos dançantes e batidas pesadas com passagens ambient, às vezes em uma mesma canção.

Vale conferir não só pela causa, mas também pela qualidade do som.

Direto do Forno · Música

Emancipator & 9 Theory – Chameleon (Single)

Emancipator e 9 Theory, duas figuras da música eletrônica/chillout/downtempo/trip hop norte-americana se juntaram para a criação de Cheeba Gold, um EP colaborativo .

Para anunciar o novo trabalho, o calmo single “Chameleon” já está disponível para audição e é, no mínimo, interessante.

Na minha opinião, o Trip Hop em seus primórdios (Massive Attack, Tricky, Portishead, Morcheeba, …) é o gênero musical mais criativo que surgiu nos últimos trinta anos. Era visceral, melancólico e sombrio. Mas o tempo foi passando e o próprio estilo foi evoluindo, se adaptando ao mundo moderno, com artistas trazendo cada vez mais inovações para a sua própria música.

O single do Emancipator com o 9 Theory tem um pouco disso. Ele possui, mesmo que de forma moderada, a sensualidade do Trip Hop, mas com uma melodia um pouco mais alegre e preguiçosa, batidas acompanhadas por arpejos acústicos e colagens vocais misteriosas.

Cheeba Gold sai do forno daqui uns dias, em 22 de março.

Direto do Forno · Música

Outside – Trent Reznor & Atticus Ross (Bird Box OST)

Bird Box (2018), o tão falado novo filme da Netflix, está sendo metralhado por “críticos” (o que eles fazem mesmo?) e fãs nos mais diversos portais e redes sociais. Em contrapartida, é o filme original da plataforma mais assistido até o momento, com mais de 45 milhões de visualizações somente em sua primeira semana (segundo dados da própria Netflix).

Após a virada do ano, todos ficaram sabendo que Trent Reznor (Nine Inch Nails) e seu fiel parceiro Atticus Ross são os responsáveis pela trilha sonora da película. Trilha essa que, ao meu ver, é um dos pontos altos da obra.

“Outside” é a única canção lançada de forma oficial até então. São quase treze minutos de suspense e agonia, com um piano marcando o tempo lentamente enquanto barulhos eletrônicos, ecos e ressonâncias de música clássica atordoam o ouvinte ao fundo.

Ainda esse mês a trilha completa chega às plataformas digitais, mais precisamente, no dia 29.

Sobre o filme, eu gostei. Nada que vá mudar o mundo ou vai levar o espectador a refletir sobre, mas é um bom entretenimento. Porém, fica a dica sobre todo esse auê que tomou conta da internet: não acredite nos críticos. Tire a conclusão da obra por si mesmo (a).