Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #07: Já Fomos Rebaixados

Triste acontecimento no Mineirão ontem.

Se não bastasse a terrível partida que Atlético e cruzeiro protagonizaram no campo, um imbecil da torcida atleticana insultou um dos seguranças do estádio com termos racistas. O pior de tudo é que no Brasil sil sil da impunidade, nada acontecerá à esse idiota.

Esse é o país em que vivemos hoje. Ninguém liga mais para porra nenhuma. Disparam as metralhadores de xingamentos (quando não são as de balas mesmo) e não estão nem aí para o próximo. E o mais nojento de tudo é que esses são que se auto-intitulam “cidadãos de bem”.

Se há cinco/seis anos, a dupla mineira podia se vangloriar de dominar o cenário nacional e internacional do futebol local, hoje, à duras penas, se esforçam para não caírem para a segunda divisão.

Porém, no quesito humanidade, o Brasil caiu há tempos.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #01: Teimosia

Nem mesmo a grande vitória no clássico contra o América-MG fez os torcedores do Galo (eu, inclusive) esquecerem a patética partida contra o Nacional do Uruguai pela Libertadores, onde o time não deu um único sinal de vontade em ganhar o jogo e perdeu para uma equipe que, com o máximo respeito (e respeito mesmo, afinal, o time uruguaio é gigante), é muito inferior à nossa.

Levir Culpi, além de ultrapassado, transbordou teimosia. Não é possível que ele não percebeu a urgência de mudança que o time necessitava, e só resolveu fazer as substituições depois que o Nacional-URU havia marcado o seu gol. Até os comentaristas da Fox Sports que, sabemos, são uns puxa-sacos do eixo RJ-SP, estavam incomodados com a falta de coragem do treinador. No final, ele esperou a desgraça acontecer para tomar uma atitude. Patético!

Ainda temos a insistência com o Patric na lateral direita e a maldita formação com TRÊS VOLANTES, numa retranca sem explicação. Agora o Atlético precisa jogar tudo o que não jogou até hoje para conseguir a classificação às oitavas de final. Eu, que sou torcedor, admito: com Levir, nossas chances são pequenas. A não ser que, por um milagre, ele esqueça a alcunha de “burro com sorte” e resolva fazer esse time jogar futebol de verdade. Que as vitórias venham não pelo acaso, mas pela bola jogada.

 

Não ao futebol moderno!