Crônicas · Língua Presa · Música

Até Que Enfim Ouvi A Guitarra do Jimi Hendrix Falar

Lembro que meu pai costumava colocar o Electric Ladyland em CD para tocar em algumas tardes (tenho o CD até hoje), e toda vez que “All Along The Watchtower” começava a tocar, ele falava:

-Esse cara é o maior de todos os tempos. O único que conseguiu fazer uma guitarra falar.

O solo dessa música é fantástico mesmo, mas admito que o lance da “guitarra” falar” não entrava em minha cabeça. Não parecia com algo sendo falado, apenas mais um som maravilhoso que aquele cara sabia fazer com os seus dedos.

Mas a teoria do meu pai se cumpriu no dia 14 de dezembro de 2020, enquanto eu limpava a casa. Foi com uma versão rara de “Spanish Castle Magic” que encontrei no Youtube, já que a original de estúdio não está lá. Em certo momento da música, Hendrix estava tratando tão bem as cordas de sua guitarra, que o som mais parecia uma voz falando do que qualquer outra coisa.

Agora sim posso dizer: até que enfim ouvi a guitarra do Jimi Hendrix falar!

Crônicas · Língua Presa · Música

Um Corvo Fora da Curva

Para iniciar, o contexto: surpreendendo a todos, Chris e Rich Robinson fizeram as pazes e anunciaram o retorno do The Black Crowes, após cinco anos de hiato, voltando a figurar nos principais portais do meio artístico.

Agora, o principal.

Eu possuía um rascunho intitulado “Um Corvo Fora da Curva”, na qual havia alguns escritos sobre o quão intrigante foi a trajetória dos Crowes lá nos anos noventa, onde a música pop e o rock alternativo/independente dominavam o cenário musical, e a gangue dos irmãos Robinson, influenciada pelos movimentos setentistas, voavam na contramão e ainda assim conseguiam se destacar.

Porém, todavia, entretanto, esse que vos escreve tomou a sábia atitude de apagar tal rascunho, com a desculpa de que não seria interessante finalizá-lo, por dificuldade em desenvolver o raciocínio. Hoje, com a notícia do retorno do conjunto, seria o timing ideal para terminar tal texto, mas a besteira cometida por mim levou a nuvenzinha chamada ideia para bem longe e sem retorno, causando-me um enorme remorso.

Para entrar na onda e arrancar (mesmo que em partes) o peso na consciência, deixo algumas das minhas canções favoritas da banda para o leitor ouvir, e uma lição muito importante: jamais apague uma ideia por completo, mesmo que ela não pareça promissora no momento. Em alguma oportunidade, ela fará sentido.

Direto do Forno · Música

Mais Uma do Bruce Springsteen: Tucson Train (Single)

À espera de Western Stars, o novo álbum de estúdio que Bruce Springsteen lançará esse mês, mais um aperitivo chega às plataformas digitais para o apreço de quem gosta do trabalho desse ícone da música.

“Tucson Train”, assim como suas antecessoras, emana paz. Em um mundo cada vez mais veloz e intranquilo, é bom tomarmos uma dose de serenidade através de boas palavras e uma melodia cativante.

Há poucos dias do lançamento oficial do disco, temos uma noção de caminho que Springsteen adotou para esse trabalho: um lugar onde a vida ainda existe fora desse tumulto que se tornou o mundo.

Direto do Forno · Música

Bruce Springsteen – There Goes My Miracle (Single)

Sentir-se tocado por uma obra artística é uma atividade individual, ou seja, cada pessoa capta as sensações à sua percepção. Os caminhos também são infinitos: seja pela escolha das palavras, a métrica, a voz emocionada ou o visual, apenas para exemplificar.

O que torna “There Goes My Miracle” tão potente é a junção de várias percepções que transformam a canção quase como um hino. Sim, é perigoso afirmar isso antes do disco ser lançado e tratando-se do Bruce Springsteen, cuja trajetória é recheada de canções grandiosas, mas pelos dois aperitivos disponibilizados até então, Western Stars o apresenta em plena forma e ainda capaz de emocionar. Isso é o mais importante.

Individual, lembra?

Se “Hello Sunshine” é para um aconchego, “There Goes My Miracle” vem para refletir. Onde está o seu milagre? O que você anda fazendo com sua vida?

Garimpo · Música

Garimpo: Mountain – Mississipi Queen (Ao Vivo no Dennis Miller Show, 1992)

Em 1992, faziam seis anos que os membros do Mountain não performavam juntos. Para essa rara apresentação em TV do conjunto, Leslie West (guitarra), Corky Laing (bateria) e Richie Scarlet (baixo) reuniram-se e tocaram “Mississipi Queen”, clássico absoluto da banda e uma das maiores canções da história do rock ‘n’ roll.

Os tios mostraram uma ótima forma e tomaram conta do palco com uma apresentação visceral e bastante enérgica. O único ponto fraco do vídeo são as tentativas frustradas do apresentador em ser engraçado.

É daqueles registros raros para se guardar com carinho.