Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #14: Choque Térmico

Durante o dia, jogos frios, sonolentos e irritantes, daqueles que até os narradores não conseguem disfarçar o tédio. À noite, no último jogo da rodada, duas equipes querendo jogar futebol, com marcação alta e ataque o tempo todo, onde uma delas é predominante.

Assistir o Galo passar o trator por cima do Vasco e, em seguida, lembrar dos jogos do Palmeiras, Corinthians e afins, é como levar um choque térmico. E fica difícil recuperar depois.

Sampaoli faz um mal necessário ao futebol brasileiro, mas os “jênios” daqui insistem em esbravejar que somos o país do futebol e não precisamos inovar em nada. Há quem ousa menosprezar seus feitos, que vêm desde a última temporada. Vai entender.

Enfim, pela milésima vez, 1×7 foi pouco, mas muito pouco.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #13: Grande Otero e a Imprensa

Tá quase fechado o negócio entre o Galo e o Corinthians envolvendo o meio-campista venezuelano Otero, que ficou sem espaço no clube mineiro após a chegada do Sampaoli.

A imprensa está a todo vapor com tal transação, com muitos jornalistas afirmando como o Corinthians está fazendo um excelente negócio e que o Otero vai chegar pra ser titular. Calma, pessoal, ele não é tudo isso.

Eu sou atleticano e vejo os jogos, e afirmo: Otero não é tudo isso que aparece nos highlights. Nem de longe.

Ele bate falta bem? Sim, demais, é um exímio cobrador, mas são dez cobranças para um gol, praticamente. Mais nada. Não dribla, não cria uma jogada. Ele tem raça, vontade, corre demais durante o jogo, mas não é o suficiente para esse endeusamento todo.

Para mim, as opiniões desses “especialistas” só provam o quanto esses caras são mal informados e se baseiam em vídeos de “melhores momentos” para justificar seus argumentos.

Deixa o Otero chegar lá e vocês verão. A corneta vai soar sem parar nas primeiras partidas em que o encanto desaparecer.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #11: Garrincha no Vox Populi

Considero-me um cara ainda jovem, com vinte e sete anos recém completados. Comecei a acompanhar futebol para valer, com lembranças, torcida e tudo mais, em 2006, ano em que o Atlético Mineiro disputou a Série B. O que era para ser motivo de vergonha para muitos, foi a comprovação de uma lealdade e a firmação daquilo que acredito ser atleticano. E tenho certeza que muitos sentem o mesmo.

De 2006 pra cá, vi times encantadores. Vi o Barcelona de 2009, que ganhou TUDO que disputou, a Espanha bi-campeã européia e campeã mundial, o Galo de 13/14, enfim, são alguns exemplos. Tiveram muitos outros, claro. Sem falar no privilégio em presenciar o auge de dois dos maiores jogadores de todos os tempos, Messi e Cristiano Ronaldo.

Apesar de ser novo, minha alma pertence a épocas passadas. Tenho uma paixão inexplicável pelas décadas que não vivi, principalmente quando o assunto é futebol. Entro em devaneios quando imagino aquele futebol cascudo, truncado, times tão bem falados ainda nos dias atuais, como o Flamengo do Zico, o Atlético de Reinaldo, a Seleção Brasileira de 1970, Santos e Botafogo dos anos sessenta, e por aí vai. E um dos meus personagens favoritos desse tempo é o Garrincha, pelas jogadas inovadoras para a época. Os cortes secos, muitas vezes repetitivos, mas que os marcadores sempre caíam. E claro, sua estrela em duas Copas do Mundo.

Vi há poucos dias uma entrevista do Mané no programa Vox Populi, na TV Cultura, de 1978, salvo engano. A qualidade é de um nível que não se vê em entrevistas de jogadores nos dias atuais. Garrincha responde questionamentos variados, que vão de sua carreira a assuntos mais delicados, como situação financeira, vícios e separações. E o melhor de tudo, com exceção de uma ou outra pergunta que ele rodeia, o cara não nega a chance de resposta.

Pegue qualquer jogador brasileiro de hoje e imagine uma entrevista com ele. Os assuntos provavelmente seriam bens materiais, mulheres, idiotices de rede social e só ladeira abaixo. E as respostas? Bem, se houvesse alguma, todas passariam pelo exame do assessor antes. Uma lástima. Chega a dar tristeza perceber como nosso nível caiu tanto, dentro e fora do campo.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #08: Toda Arrogância Foi Castigada

“Não podemos abrir mão da Copa do Brasil se olharmos o passado do Internacional na competição.” – Celso Roth, após derrota para o Galo por 3×1.

O problema do futebol é viver de glórias do passado e pensar que elas podem salvar o presente.

Não coloquei data, mas sei que fiz essa anotação em 2015 ou 2016, pouco tempo antes do Inter cair para a Série B. Anos mais tarde, novamente a profecia se concretizou: foi a vez do Cruzeiro também ir para a segundona.

Comemorei demais, afinal, para quem não é de Minas Gerais, vos explico: não há torcida mais folgada. É um salto alto interminável, postura arrogante de jogadores e dirigentes e um pensamento de superioridade que beira o nojo.

Segunda Divisão é pouco. Que fiquem por muitos anos lá, fazendo companhia para o América.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #07: Já Fomos Rebaixados

Triste acontecimento no Mineirão ontem.

Se não bastasse a terrível partida que Atlético e cruzeiro protagonizaram no campo, um imbecil da torcida atleticana insultou um dos seguranças do estádio com termos racistas. O pior de tudo é que no Brasil sil sil da impunidade, nada acontecerá à esse idiota.

Esse é o país em que vivemos hoje. Ninguém liga mais para porra nenhuma. Disparam as metralhadores de xingamentos (quando não são as de balas mesmo) e não estão nem aí para o próximo. E o mais nojento de tudo é que esses são que se auto-intitulam “cidadãos de bem”.

Se há cinco/seis anos, a dupla mineira podia se vangloriar de dominar o cenário nacional e internacional do futebol local, hoje, à duras penas, se esforçam para não caírem para a segunda divisão.

Porém, no quesito humanidade, o Brasil caiu há tempos.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #06: Exorcismo

Tá exorcizado! Expurgado! Excomungado! Expulso!

Não importa o verbo, a sensação de ALÍVIO que o torcedor atleticano está sentindo hoje é imensurável. Eliminamos o Botafogo na Sul-Americana com DUAS VITÓRIAS!

O contexto para explicar tamanha alegria:

Há 25 anos um terror chamado Botafogo assombra as nossas cabeças em competições de mata-mata. Seja na Copa do Brasil, Sul-Americana ou qualquer outro torneio, sempre o time carioca passava com autoridade. Algumas vezes, de forma até humilhante, como aquele desastroso 2×5 em pleno Mineirão na temporada de 2008. Tenho pesadelos com aquele jogo até hoje.

Porém, isso é passado. Ontem espantamos essa nhaca do nosso caminho com uma vitória por 2×0 no Independência, gols de Fábio Santos e Vinícius. O próximo adversário será o La Equidad, da Colômbia.

Um adendo: não se enganem, Galos Doidos. O time tá jogando muito mal, com dificuldades para marcar gols e alguns jogadores passando por uma fase terrível. Vamos torcer para que o técnico Rodrigo Santana acerte ainda mais a equipe e que, ao final do ano, possamos levantar essa taça para salvar a temporada.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #05: A Perna Esquerda de São Victor

Era noite de 30 de maio de 2013, uma quinta-feira, mais precisamente aos 48′ do segundo tempo de uma partida de quartas-de-final da Copa Libertadores da América, quando Victor eternizou a sua passagem pelo Atlético-MG. Riascos foi despretensioso e parou na perna esquerda do arqueiro atleticano. Daquele momento em diante, o Galo só sossegou ao erguer a taça no Mineirão. Daquela quinta em diante, Victor virou santo.

Hoje, quase seis anos depois, o panorama pode até ser diferente, mas a situação é parecida. O dia é 28 de maio, também à noite, numa terça-feira. A competição é de “segundo escalão”, segundo o preside(a)nte(a) do clube, mas não para o torcedor. É um troféu que ainda não consta na galeria. A Sul-Americana. Cairia como uma luva para salvar esse ano desastroso do time

Com uma exibição fraquíssima da equipe, o garoto Alerrandro entra para evitar a vergonha de ser eliminado em casa durante os noventa minutos pelo modesto Unión La Calera, do Chile. Com 1×1 no agregado, tudo será decidido nos pênaltis. E disso, São Victor entende muito bem. E fez valer a sua alcunha santificada.

O goleiro alvinegro pegou todos os três pênaltis do time chileno. O segundo, por incrível semelhança, foi cobrado no meio do gol e São Victor defendeu com a perna esquerda. Na última vez que ele fez algo do tipo em uma competição continental, a taça veio para a Cidade do Galo, como disse no primeiro parágrafo.

Espero que tal fato vá além de uma mera coincidência, e que São Victor tenha o prazer de levantar mais um troféu com essa camisa tão gloriosa.

 

 

 

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #03: José Maria Pena

Foi com pesar que li sobre o falecimento do grande José Maria Pena, figura que está na história dos dois alvinegros que torço: o Galo e a Pantera.

Como jogador, foi revelado nas categorias de base do Atlético-MG e jogou na equipe de 1968 a 1973, fazendo parte do time campeão nacional em 1971.

Como técnico, destaco sua passagem pelo Democrata-GV em 2007, naquele que considero o último grande time da Pantera, semifinalista do Campeonato Mineiro e campeão do interior. Como torcedor do “Demo”, é triste lembrar da grande equipe liderada por Vilar, Amilton e Leandro Carrijo e comparar com a atual situação do clube.

Zé Maria também foi o técnico do Democrata em sua melhor campanha até hoje, quando foi vice-campeão de Minas Gerais em 1991, porém, eu ainda não era nascido.

Fica aqui a minha singela homenagem a esse personagem fundamental de momentos gloriosos que, tenho certeza, não serão apagados das mentes dos torcedores.

CAM1971Foto: https://www.futebolinterior.com.br/

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #01: Teimosia

Nem mesmo a grande vitória no clássico contra o América-MG fez os torcedores do Galo (eu, inclusive) esquecerem a patética partida contra o Nacional do Uruguai pela Libertadores, onde o time não deu um único sinal de vontade em ganhar o jogo e perdeu para uma equipe que, com o máximo respeito (e respeito mesmo, afinal, o time uruguaio é gigante), é muito inferior à nossa.

Levir Culpi, além de ultrapassado, transbordou teimosia. Não é possível que ele não percebeu a urgência de mudança que o time necessitava, e só resolveu fazer as substituições depois que o Nacional-URU havia marcado o seu gol. Até os comentaristas da Fox Sports que, sabemos, são uns puxa-sacos do eixo RJ-SP, estavam incomodados com a falta de coragem do treinador. No final, ele esperou a desgraça acontecer para tomar uma atitude. Patético!

Ainda temos a insistência com o Patric na lateral direita e a maldita formação com TRÊS VOLANTES, numa retranca sem explicação. Agora o Atlético precisa jogar tudo o que não jogou até hoje para conseguir a classificação às oitavas de final. Eu, que sou torcedor, admito: com Levir, nossas chances são pequenas. A não ser que, por um milagre, ele esqueça a alcunha de “burro com sorte” e resolva fazer esse time jogar futebol de verdade. Que as vitórias venham não pelo acaso, mas pela bola jogada.

 

Não ao futebol moderno!