Garimpo · Música

Algumas Preciosidades da Shore Dive Records

Instalado em Brighton, na Inglaterra, o selo Shore Dive Records tem sido um dos meus garimpos mais explorados nas últimas semanas. Mais orientado para o noise rock/shoegaze, o catálogo da gravadora é vasto e diverso, capaz de agradar o fã de música barulhenta até aquele que curte um som mais atmosférico.

O novo EP do Last Victorian Death Squad, por exemplo, é um caos sonoro do início ao fim, recheado de feedbacks e emoção.

Já a estreia do Nossiennes, um EP curto com apenas três faixas, traz uma boa fusão entre o Slowdive e o My Bloody Valentine, com as guitarras em eco fazendo um belo trabalho.

Também é daqui que saiu um dos meus discos preferidos de 2019, o EP The Creation, do Superdrone. Até hoje”Freedom” é presença constante em minhas audições diárias.

Caro leitor, não fique apenas nessas indicações e vasculhe-se os mais profundos arredores do universo shoegaze da Shore Dive Records. É uma surpresa melhor que a outra, e claro, um caminho sem volta.

Garimpo · Música

Garimpo: Hall of Noises – The Melancholic Youth of Jesus

Carlos Santos, o mentor do Melancholic Youth of Jesus, acaba de disponibilizar de forma oficial o debut do projeto, Hall of Noises, lançado em 1992, em sua página no Bandcamp.

São seis canções com o melhor do noise rock/shoegaze, recheado de guitarras dissonantes, microfonias, feedbacks, enfim, os mais variados ruídos que dão todo o charme do trabalho.

Em junho desse ano, Santos e sua gangue soltaram dois ótimos EP’s fiéis às suas raízes. Escrevi sobre eles aqui.

Entre em transe com Hall of Noises no player abaixo.

Direto do Forno · Música

Greg Dulli – Pantomima (Single)

Greg Dulli é uma espécie de Midas da música underground. Seja em seu projeto principal, o Afghan Whigs, cuja discografia é uma das mais brilhantes dos anos noventa, ou com o The Gutter Twins, sua parceria com Mark Lanegan, e até com The Twilight Singers, a presença de Dulli garante ao ouvinte, no mínimo, uma dose de curiosidade.

Até escrevi aqui no blog sobre a discreta participação do cara no mítico álbum de estreia do Foo Fighters, na canção “X-Static”.

Agora, para 2020, Greg Dulli prepara o primeiro disco que leva o seu nome na capa: Random Desire, previsto para sair do forno em fevereiro. Você já pode ouvir “Pantomima”, a primeira canção liberada da obra. Nela, há uma boa concentração de carga emocional, sex appeal e guitarras, muitas guitarras.

Garimpo · Música

B3

Já faz um bom tempo que o Placebo não lança algo relevante em sua discografia. Da estreia em 1996 até Sleeping With Ghosts (2003), foram quatro ótimos álbuns, incluindo o clássico e insuperável Without You I’m Nothing (1998). Porém, desde então, nada mais relevante saiu do forno do projeto de Brian Molko e Stefan Olsdal (mais algum baterista).

Nesse tempo, foram três discos medianos, dois EP’s, um álbum de covers e registros ao vivo. Considerando apenas esse material instável e bem abaixo da média, retiro um curto trabalho solto em 2012 e que merece uma atenção diferenciada: o EP B3.

São apenas cinco faixas (uma dela é um cover) e que resgatam o brilho tanto instrumental quanto lirista da banda. Molko abre o seu coração e expõe suas angústias como poucos artistas o fazem, vide canções como “The Extra” e a faixa-título, essa última no famoso esquema de versos calmos e refrão mais vibrante.

 

 

Mas o grande destaque do EP é “I Know Where You Live”, que em seu último minuto ganha uma explosão de cordas distorcidas e uma bateria muito forte, em um space rock capaz de levar o ouvinte para fora de si durante a audição.

Não vejo notícias da banda há algum tempo, e mesmo sem a confirmação, parece que os caras estão dando um tempo. Que esse tempo sirva para que Molko coloque as ideias de forma organizada (ou não) e que um novo trabalho saia em breve. Até o Tool já saiu da fila…

 

Direto do Forno · Música

Complemento: Iggy Pop – Sonali (Single)

Engraçado, poucos minutos após o compilado de singles do último post, eis que Iggy Pop resolve nos presentear com mais um aperitivo do seu próximo álbum: “Sonali”.

Curioso é que “Sonali” é o terceiro single do futuro disco e é a melhor canção liberada até agora.

Mais curioso ainda é que Free (o disco) apresenta uma faceta mais experimental do mestre. Mais um para entrar naquela lista de artistas que ficaram ainda melhores com o passar dos anos.

No dia 6 de setembro confirmaremos a expectativa. Ou não.

Direto do Forno · Música

Ruby Haunt – Jeune (Single+Vídeo)

The Middle of Nowhere, o próximo disco do Ruby Haunt, chega por completo no fim desse mês, e para que o ouvinte tenha uma mínima noção do que esperar, uma segunda dose foi liberada para a audição.

Ouvir “Jeune” é como embarcar em um navio rumo à melancolia, daquela que, dependendo do estado, devasta o ser por dentro. Acompanhada de um videoclipe igualmente nostálgico, trinca até os corações mais sólidos e impenetráveis.

“What took you so long to figure it out?”

 

 

Direto do Forno · Música

Kim Normal – Piece By Piece (Single)

Não foi apenas a mudança de nome que a Kim Normal encontrou para seguir adiante os seu caminho. Ex-No Idea (leia sobre aqui), os antigos parceiros Carl Giannelli e Ethan Williams têm agora a companhia do baixista Conor McCarthy e, na formação de um power trio, a possibilidade de um trabalho melhor elaborado.

Porém, os amantes de um som mais sujo e caseiro podem se decepcionar.

“Piece By Piece” é o primeiro single de On Your Own Wave, LP de estreia do grupo, ainda sem data oficial de lançamento.

Direto do Forno · Música

Iggy Pop – James Bond (Single+Vídeo)

Ela quer ser o seu James Bond, repete Iggy. O baixo, em conjunto, dá o tom do balanço. Depois vem a guitarra, a bateria, o solo do trompete, tudo em ordem. Em nenhum momento Iggy se desprende, grita ou sai do tom. Um verdadeiro gentleman.

“James Bond” é o segundo single de seu próximo disco, Free, que sai do forno no início do próximo mês. O primeiro single, que leva o nome do álbum, você confere aqui, onde também deixo algumas impressões sobre o que espero desse disco.

Direto do Forno · Música

Pin Ups – Spinning (Single)

Esse texto vai soar muito puxa-saco, porque eu gosto demais dessa banda há anos e jamais pensei que diria isso algum dia: a Pin Ups está de volta e lançará um novo disco!

Em um breve contexto histórico, o grupo foi um dos mais importantes do underground nacional nos anos noventa, época em que a música subterrânea brasileira fabricou inúmeras bandas barulhentas, criativas e de alto nível. Na internet, é possível encontrar reportagens e entrevistas de personagens que viveram a época e aconselho o leitor a procurar para entender melhor.

Time Will Burn, o primeiro álbum da Pin Ups e lançado em 1990, é um dos maiores clássicos da época e costumo apelidá-lo de “Loveless brasileiro”, mesmo lançado um ano antes do mítico disco do My Bloody Valentine.

O último trabalho da banda, Bruce Lee, saiu em 1999 e parou por aí. Com alguns esporádicos retornos, o conjunto voltou à ativa e prepara Long Time No See, o novo disco que chegará no próximo mês, dia 14, pelo midsummer madness e Fleeting Media.

Ouça abaixo “Spinning”, o primeiro aperitivo desse retorno que comemoro com entusiasmo.