Direto do Forno · Música

Joe Strummer – Junco Partner (Acústico)

No meu conhecimento, a maior parte dos lançamentos póstumos de artistas são verdadeiros caça-níqueis. Porém, a última box de extras de Joe Strummer, Joe Strummer 001 (2018), até que foi proveitosa, e por esse motivo ficarei ligado em Assembly, a nova compilação de trabalhos solo do frontman do The Clash.

Tal álbum chegará em algumas semanas, no dia 26 de março, e já podemos conferir uma das suas fatias: trata-se de uma gravação caseira de “Junco Partner”. Oficialmente, ela faz parte do álbum-triplo Sandinista!, de 1980, mas essa versão nunca havia sido lançada antes.

Ouvir esse cara apenas em voz e violão é sempre um prazer.

Direto do Forno · Música

Dinosaur Jr. – I Ran Away (Single)

Parece que os “vovôs” J. Mascis, Lou Barlow e Murph, a tríade clássica do Dinosaur Jr., ainda têm muitas ideias para queimar e transformar em música. Vem aí Sweep It Into Space, o décimo-segundo álbum de estúdio da banda, que ganhará forma em 23 de abril desse ano, via Jagjaguwar.

São mais de trinta anos de carreira mantendo a mesma fórmula, e ainda assim o Dinosaur Jr. não fica chato ou enjoativo. O single “I Ran Away” está aí como prova. Uma divertida canção pop, onde os instrumentos estão todos alinhados e sem excessos, e ao final J. Mascis manda um solo um pouco mais barulhento, mas nada explosivo como os anos áureos da banda.

Chega a ser repetitivo, mas como é bom ver bandas assim ainda na ativa, criando músicas novas por amor.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #16: A Camisa Pesa

Por mais que o dinheiro mande e desmande com proporções ainda maiores a cada ano que passa, a camisa ainda tem muito peso em um jogo de futebol.

O Manchester City está voando nessa temporada e até a partida de ontem, a equipe do Guardiola vinha de vinte e oito jogos de invencibilidade, passando o trator em todo mundo e com direito até a um 1×4 no Liverpool em pleno Anfield. Mas foi só pegar seu maior rival, o Manchester United, que a casa caiu.

Em pleno Etihad Stadium, o United travou os Citizens e venceu por 0x2, sendo que poderia ter feito mais.

Essa é a magia do futebol. Tradição, de vez em quando, ganha jogo.

Direto do Forno · Música

Novidades na Heavy Psych Sounds Records

As produções musicais no mundo subterrâneo continuam a todo vapor, principalmente no universo do stoner rock, uma das vertentes mais frutíferas nos últimos anos. No selo Heavy Psych Sounds Records não poderia ser diferente, e é de lá que trago algumas novidades hoje. Ao todo, são três singles de bandas que é aumentar o volume e deixar o caos tomar conta do ambiente.

Começando por “Free The Weed”, canção que entrará em Weedsconsin, o próximo disco do Bongzilla e que chegará DEZESSEIS anos após o último lançamento do conjunto. A previsão é para o dia 20 de abril, e se a expectativa se concretizar, vem algo ideal para fãs de stoner/doom metal. Afinal, “Free The Weed” já começa com a guitarra lá em cima e o vocalista praticamente rasga os seus versos com muita ferocidade.

Outra banda com disco quase saindo do forno é a Cosmic Reaper, com seu debut auto-intitulado previsto para o dia 19 desse mês. Só pela capa eles já me ganharam, parecendo um pôster de filme de terror B. Mas o som deles também é de alto nível, “Wasteland II” surpreende com riffs poderosos, a voz ecoando como se saísse de um megafone e o baixo também se fazendo presente. Ou seja, tudo muito bem afiado e espero que o disco inteiro esteja à altura.

Por último, a que mais gostei: “The Chosen One”, single do próximo álbum do 1782, chamado From The Graveyard. O tipo de som lento e pesado direto da escola Black Sabbath. Sem firulas ou passagens longas, a música é crua e certeira, mantendo a mesma pegada do início ao fim. From The Graveyard também sai esse mês, lá no dia 26.

A Heavy Psych Sounds Records está com vários outros lançamentos, alguns que já saíram e outros para as próximas semanas, mas é pouco tempo na correria do dia-a-dia e muita música para ouvir. Porém, tentarei aproveitar o máximo nos próximos dias, pois sei que o que sai do forno deles é de qualidade.

Direto do Forno · Música

O Novo da Anfisa Letyago: Listen EP

Foi ouvindo um episódio do podcast Álvaro, Barcinski, Forata & Paulão que conheci a Anfisa Letyago, DJ russa radicada em Nápoles, Itália. Na ocasião, tive acesso à canção “Pump It”, e essa não foi apenas minha melhor descoberta musical de 2020, como também a música que mais ouvi ano passado.

Anfisa Letyago é amplamente citada como uma das maiores revelações da música eletrônica dos últimos anos, e no início de 2021 ela aumentou sua (ainda) pequena discografia com o EP Listen. Apesar de curto, esse trabalho deixa bem claro o estilo das composições da DJ, que é capaz de criar peças contagiantes e, em contrapartida, outras mais amenas.

A faixa-título dá início ao EP, acompanhada por batidas e graves fortes e por uma voz sussurrada ao fundo, como um transe hipnótico ou até mesmo um sonho. Aliás, essa “voz” é um dos detalhes que mais me agradaram no som da DJ. Em seguida, vem “Orizzonte”. Essa me lembrou os melhores momentos do Prodigy, não pelo peso, mas pelo ritmo, onde vários elementos se fundem e o resultado é uma canção perfeita para um clube noturno.

Em “Deep Water”, a tal voz parece estar realmente afundada em águas profundas, enquanto o instrumental faz o corpo do ouvinte se tremer não apenas por fora, mas também por dentro. E não fosse o bastante, o encerramento com “Gravity” causa a mesma sensação, mas dessa vez não na água, mas no ar, como se o corpo flutuasse, carregado pelas batidas minimalistas da canção.

Listen resume bem, em quatro faixas, as influências e características da Anfisa Letyago, e para quem acaba de conhecê-la, é uma boa porta de entrada para seu universo eletrônico. Ele foi lançado em 8 de janeiro deste ano e foi o primeiro lançamento em seu próprio selo, o N:S:DA.

1. Listen
2. Orizzonte
3. Deep Water
4. Gravity

Crônicas · Diversos · Língua Presa · Quarta Parede

Poema de “Paterson”

Poema de Amor

Nós temos muitos fósforos em nossa casa.
Sempre estamos com eles em mãos.
No momento, nossa marca preferida é Ohio Blue Tip,
mas antes gostávamos da marca Diamond.
Isso foi antes de descobrirmos os fósforos da Ohio Blue Tip.
São caixinhas resistentes, pequenas, com rótulos azul-marinho, azul-celeste e brancos,
com palavras escritas no formato de um megafone,
como se fosse para gritar ainda mais alto ao mundo:
“Aqui está o mais lindo fósforo do mundo,
de 3,8cm de pinho macio
com uma cabeça roxa-escura granulada, tão contida e furiosa
e teimosamente pronta para entrar em chamas,
acendendo, talvez, o cigarro da mulher que você ama
pela primeira vez, e nunca foi realmente a mesma coisa
depois disso.
Tudo isso daremos à você.”
Isso é o que você me deu. Eu me torno o cigarro e você o fósforo,
ou eu me torno o fósforo e você, o cigarro,
chamuscando com beijos que ardem na direção do paraíso.

Quarta Parede

Trecho de “Close-Up”, do Abbas Kiarostami

Trecho do julgamento do Hossain Sabzian:

“Cada vez que me sinto triste na prisão, penso no verso do Corão que diz: diga o nome de Alá e o teu coração será confortado. Mas não sinto conforto nenhum. Sempre que estou deprimido ou transtornado, sinto o desejo de gritar ao mundo a angústia da minha alma, os tormentos que passei, todas as minhas tristezas, mas ninguém as quer ouvir. Eis que chega um homem que retrata todo o meu sofrimento nos seus filmes e posso vê-los mais de uma vez. Eles mostram o rosto maligno daqueles que brincam com a vida dos outros, o rico que não presta atenção às necessidades materiais básicas do pobre. Foi por isso que me senti compelido a procurar consolo naquele roteiro. Li-o, e ele traz calma ao meu coração. Diz as coisas que desejei ter expressado.”

Close-Up, Abbas Kiarostami, 1990.

Direto do Forno · Música

Tomahawk – Business Casual (Single)

“Ah, tá de sacanagem!”

Essa foi minha reação quando descobri que o Tomahawk está de volta, já com um single e com a data do novo álbum anunciada. Tonic Immobility chegará em 26 de março pela Ipecac Recordings.

“Business Casual” possui uma linha de baixo maravilhosa, e claro, uma bateria esmagadora, como é de praxe quando se escuta o John Stanier em ação. A voz de Patton então nem precisa de comentários. É incrível como ele só melhora a cada ano que passa.

O Tomahawk é o projeto paralelo do Mike Patton que mais gosto. Mas é injusto chamá-lo de “projeto paralelo”, pois a banda já possui quatro discos de estúdio, sendo que o último, Oddfellows, foi lançado em 2013. Inclusive, tive a honra de vê-los ao vivo nesse mesmo ano, quando vieram no Lollapalooza.

Ano passado foi o Mr. Bungle que voltou às atividades e agora o Tomahawk. Espero que o Fântomas seja o próximo da fila.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #15: Jogo de Churrasco

Foi perfeita a colocação do comentarista do SPORTV durante a transmissão de Juventude x Figueirense na última sexta-feira, dia22:

“Isso tá parecendo um jogo de churrasco.”

Nos últimos 15 minutos de jogo, aconteceu de tudo:

  1. O Figueirense abriu um 0x1 com um gol MUITO irregular, onde a bola saiu E MUITO na linha de fundo e mesmo assim o cara cruzou na cabeça do seu companheiro, que mandou pra dentro. O bandeirinha não viu que a bola havia saído, e claro que o pessoal do Juventude só faltou quebrar ele no pau;
  2. O gol de empate do Juventude saiu de um chutão pra frente e a bola ficou mamão com açúcar pro goleiro catar… Mas ele se enganou com o tempo dela e foi encoberto, deixando o gol vazio para o atacante só empurrar.
  3. A virada veio praticamente no último lance e em mais uma falha horrorosa do goleiro do Figueira, pois o atacante cabeceou fraco e em cima dele, e mesmo assim a bola passou.

Como o 0x0 não servia para nenhum dos times, o jogo virou uma verdadeira pelada. Esquemas táticos foram deixados de lado, zagueiros viraram atacantes, rolou um festival de passes errados, chutes terríveis, as equipes não conseguiam trocar nem dois passes direito, mas mesmo assim, foi uma diversão e tanto.

Melhor para o Juventude, que após essa pelada de churrasco, ainda sonha com o acesso pra Série A. E o Figueirense, coitado, que escapou no ano retrasado, não pode dizer o mesmo da temporada 2021. Eles jogarão a Série C. O Makalister deve estar muito puto com vocês.

Direto do Forno · Música

Cub Scout Bowling Pins – Heaven Beats Iowa (Single)

Duvido que exista alguém tão prolífico em questões artísticas quando Robert Pollard. Não bastasse os vários discos que ele lançou com o Guided By Voices em 2020, o cara também já anunciou mais um projeto paralelo e também soltou o primeiro single dessa empreitada: conheça o Cub Scout Bowling Pins com a canção “Heaven Beats Iowa”, que também levará o nome do primeiro EP do projeto.

Soa como Guided By Voices? Soa. É algo inovador? Não. Mas não importa, é muito bom ver esse camarada na ativa após décadas de carreira e ainda parecendo uma fábrica de canções.

O Cub Scout Bowling Pins lançará seu primeiro EP em 22 de janeiro desse ano.