Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: The National – Never Tear Us Apart (INXS Cover)

Devido aos acontecimentos recentes na Austrália, uma galera boa se reuniu para gravar um tributo em prol de toda a causa. A proposta do disco Songs For Australia é que cada participante faça um cover de alguma canção australiana. A grana arrecadada será para ajudar o país a se reerguer após os desastres ambientais que comoveram o planeta.

O The National carimbou sua participação ao regravar “Never Tear Us Apart”, clássico do INXS, com uma versão happy-sad gostosa de ouvir. O disco completo sai daqui dez dias e você confere mais informações sobre ele aqui.

Garimpo · Música

Tricky + Goldfrapp + Smashing Pumpkins

Tricky sempre foi certeiro na escolha de suas parcerias musicais. Sua lista é grande: tem a longeva dupla com Martina Topley-Bird, PJ Harvey, Björk e até os caras do Red Hot Chili Peppers. Caberia mais algumas linhas para citar as colaborações com artistas menos conhecidos, e não que elas também não sejam importantes, mas não quero estender o texto.

Em 1995, saiu Maxinquaye, o mais aclamado disco do cara, um daqueles álbuns capaz de mudar a vida de alguém. A música “Pumpkin” (minha favorita) é tão sexy quanto nebulosa, e tem participação de uma então desconhecida Alisson Goldfrapp, que brilha em seus versos de forma magistral.

Interessante é que a canção possui um sample de “Suffer”, dos Smashing Pumpkins, aí a referência em seu título. A peça é uma amostra da imensa criatividade de Tricky na hora de desenvolver as suas músicas.

Garimpo · Música

Algumas Preciosidades da Shore Dive Records

Instalado em Brighton, na Inglaterra, o selo Shore Dive Records tem sido um dos meus garimpos mais explorados nas últimas semanas. Mais orientado para o noise rock/shoegaze, o catálogo da gravadora é vasto e diverso, capaz de agradar o fã de música barulhenta até aquele que curte um som mais atmosférico.

O novo EP do Last Victorian Death Squad, por exemplo, é um caos sonoro do início ao fim, recheado de feedbacks e emoção.

Já a estreia do Nossiennes, um EP curto com apenas três faixas, traz uma boa fusão entre o Slowdive e o My Bloody Valentine, com as guitarras em eco fazendo um belo trabalho.

Também é daqui que saiu um dos meus discos preferidos de 2019, o EP The Creation, do Superdrone. Até hoje”Freedom” é presença constante em minhas audições diárias.

Caro leitor, não fique apenas nessas indicações e vasculhe-se os mais profundos arredores do universo shoegaze da Shore Dive Records. É uma surpresa melhor que a outra, e claro, um caminho sem volta.

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Lou Karsh – Against The Flames EP

Admirável e importante a iniciativa do Lou Karsh, artista australiano que vê seu país enfrentar um verdadeiro apocalipse ambiental, com danos enormes e irreparáveis.

Para levantar fundos e ajudar ao combate dos incêndios na Austrália, o rapaz soltou um EP com quatro ótimas músicas intitulado Against The Flames, e destinará toda a renda das vendas para o combate ao desastre.

Inserido na vertente eletrônica, Lou Karsh mescla várias vertentes do estilo em seu trabalho, variando entre trechos dançantes e batidas pesadas com passagens ambient, às vezes em uma mesma canção.

Vale conferir não só pela causa, mas também pela qualidade do som.

Garimpo · Música

IGOR (Ou A Julgar Pela Capa)

É fim de ano e os veículos musicais ficam afoitos para soltarem suas listas de “melhores do ano”, listas essa que, sabemos, são recheadas de jabá, camaradagem e que pouca coisa realmente difere uma da outra. Mesmo assim, dá pra pincelar aqui e ali um disco que passou batido durante o ano e colocar a audição em dia.

O Floga-se faz anualmente o serviço de compilar essas listas em uma única página, facilitando a vida do leitor. Estava eu dando uma olhada e nada chamou minha atenção, até eu me deparar com essa capa:

tyler-the-creator-igor

Nunca me interessei por uma música sequer do Tyler, The Creator, mas essa capa me pegou em cheio. Monocromática, ambígua e melancólica. IGOR é o nome do disco, e foi escolhido por um site como o melhor do ano. Dei uma chance e a experiência foi… Diferente.

Havia um tempo que não ouvia um disco de rap. Ouvi Blonde, do Frank Ocean, na época de seu lançamento (2016) com o hype altíssimo, e quebrei a cara pela alternância de bons e maus momentos. Mas com IGOR foi diferente, a produção é ótima e o álbum não possui excessos. São doze faixas que, à pedido do próprio artista, devem ser ouvidas em sequência, para que funcionem como uma única e longa história de um personagem afogado em uma paixão doentia, cheia de mágoas, raiva, desespero e que ao final, busca por alento.

É um prato quente para quem gosta de versos pesados, precisos e batidas e samples bem construídos. Certamente irei atrás de mais material desse rapaz.

Garimpo · Música

Garimpo: Hall of Noises – The Melancholic Youth of Jesus

Carlos Santos, o mentor do Melancholic Youth of Jesus, acaba de disponibilizar de forma oficial o debut do projeto, Hall of Noises, lançado em 1992, em sua página no Bandcamp.

São seis canções com o melhor do noise rock/shoegaze, recheado de guitarras dissonantes, microfonias, feedbacks, enfim, os mais variados ruídos que dão todo o charme do trabalho.

Em junho desse ano, Santos e sua gangue soltaram dois ótimos EP’s fiéis às suas raízes. Escrevi sobre eles aqui.

Entre em transe com Hall of Noises no player abaixo.

Garimpo · Música · Quarta Parede

E esse Watchmen, hein?

Se tem um seriado que me surpreendeu e que estou acompanhando com fervor é Watchmen, da HBO. Mesmo considerada por muitos como desnecessária, a continuação da HQ está muito interessante: trama misteriosa, clima sombrio, muita violência e claro, uma trilha sonora sensacional.

Sério, não é exagero nenhum dizer que praticamente tudo que o Trent Reznor e o Atticus Ross criam é acima da média, e não foi diferente nessa trilha sonora. Experimental na medida certa, misturando elementos de eletrônica, música ambient e industrial, e que resultou até em um cover de “Life On Mars?”, do David Bowie.

Vou deixar um aperitivo aqui embaixo.

Direto do Forno · Garimpo · Música

30 Anos da Warp Records

Uma das casas mais influentes da música eletrônica, a Warp Records está completando três décadas de existência. Lar de onde saíram Aphex Twin, Boards of Canada e afins, a gravadora prepara um material digno de apreciação para comemorar o feito.

WXAXRXP Sessions, o disco festivo, contará com dez faixas, cada uma de um artista do selo, cujas gravações foram feitas em sessões para programas de rádio. A versão de luxo contará com um vinil para cada artista, contendo quatro faixas cada (confira aqui).

Interessante é que o lançamento oficial (digital e vinil) será no dia 15 desse mês, mas quase todo o álbum já está disponível no Youtube da Warp (ou no site oficial acima). Deleite-se abaixo com o melhor da música eletrônica/ambient.

Garimpo · Música

I Hope You’re Happy Now

Tenho certeza que se os Beatles da fase iêiêiê entrassem em uma máquina do tempo e ouvissem “I Hope You’re Happy Now”, do Elvis Costello, eles morreriam de inveja.

Lançada em 1986 no ótimo Blood and Chocolate, “I Hope You’re Happy Now” é de uma melodia pop contagiante, daquelas em que o pé acompanha a bateria em todo o seu decorrer, e que se contrapõe com a letra ácida e certeira, como um belo foda-se para quem o narrador se dirige.

Entraria em qualquer disco da trupe de Lennon. E, certamente, se sobressairia.

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Chicos De Nazca

Foi por uma recomendação do André Barcinski em seu espaço no Uol (faz muita falta) que conheci a Chicos De Nazca, banda chilena de Santiago que vive em Berlim desde 2010.

Ouvi uma música aqui e outra ali e achei interessante o som, porém, caiu no limbo das playlists. Hoje isso mudou. Embarquei em uma viagem aos anos 60 com Since You Got It, o álbum mais recente do conjunto (saiu essa semana), e entrei em transe.

São muitas guitarras se entrelaçando e conduzindo o ouvinte a um passeio entre paisagens coloridas, giratórias, flutuantes e cheias de flores. Nem precisa de “ajuda”, se é que me entendem.

Para quem gosta de psicodelia, é um prato cheio.