Diversos · Língua Presa · Música · Quarta Parede

Vozes

Loucura. Demência. Alucinação. Colapso mental. Breakdown. Etc.

O termo é o de menos, mas as causas são das mais variadas. A arte, que imita a vida, traz bons reflexos de tal condição.

No cinema, são inúmeros os filmes que retratam a insanidade do ser humano. Rambo ficou perturbado após vivenciar uma guerra, assim como o Capitão Benjamin L. Willard em Apocalypse Now. A perda de um ente querido destruiu a mente de Andrew Laeddis em Ilha do Medo, enquanto a solidão colaborou com a paranoia tanto de Travis Bickle, em Taxi Driver, quanto de Jack Torrance, de O Iluminado.

Na música, David Crosby deu piripaque após perder sua namorada Christine Hinton em um acidente de carro, anos antes de descarregar suas angústias em If I Could Only Remember My Name, seu primeiro trabalho solo, em 1971. Sua condição era tão assustadora que o nome do disco é referência ao estado mental do cidadão: em alguns momentos, ele não conseguia nem se lembrar do próprio nome.

Já Skip Spence, ex-guitarrista do Moby Grape, chegou a atacar seus colegas de banda com um machado durante uma viagem lisérgica. Com o abuso de drogas e seu estado mental cada vez mais degradando, Skip foi internado numa clínica e lá gravou seu único trabalho solo, Oar, em 1969, um dos discos mais deprimentes e honestos que já ouvi.

Outras citações são apenas metafóricas, mas não menos importantes. Humberto Gessinger admite ouvir vozes, que certas vezes o assusta, e noutras, o atraem, em “Vozes” (A Revolta dos Dândis, 1987).

Já Robert Pollard… Bem, esse é guiados por vozes há mais de três décadas com o seu Guided By Voices, um dos pilares e mais importantes grupos do rock alternativo noventista.

Mas é nas artes gráficas a história de deterioração mental mais perturbadora e bem escrita que conheço. A tortura psicológica que o Coringa faz com o Comissário Gordon em A Piada Mortal (1988), cuja conclusão é perfeita:

“Só é preciso um dia ruim para reduzir o mais são dos homens a um lunático. É essa a distância que me separa do mundo. Apenas um dia ruim.”

Apenas um dia ruim e a nossa vida entra em colapso.

 

 

 

 

 

 

Diversos · Língua Presa · Música · Quarta Parede

O Homem da Tela e o Homem do Machado

Não sai da minha cabeça a ideia de que o sexto episódio da terceira temporada de American Horror Story, The Axeman Cometh, teve uma leve inspiração em “Screen Man”, do Failure.

Eu sei que é só um devaneio sem sentido e que ambas as obras não tem ligação alguma, mas, na minha cabeça, as duas peças se complementam em uma só.

A imagem do Homem do Machado caminhando por New Orleans durante uma noite movimentada, à procura de sua próxima vítima e que, de repente, rompe com a quarta parede e olha atentamente nos olhos do espectador, tira o seu saxofone e toca as suas tristes e solitárias notas antes de cometer mais um crime, e você se espanta ao saber que ele pode ser qualquer pessoa, até mesmo o vizinho da porta ao lado, e você pisca os olhos rapidamente para ter certeza de que não é uma alucinação e… você acorda.

Admita: é um delírio e tanto.

 

Diversos · Língua Presa · Música · Quarta Parede

“Me Come, Elio”

Melhor do que o filme, somente o livro Me Chame Pelo Seu Nome, de André Aciman. A adaptação para os cinemas é bela, com uma trilha sonora tocante e a química entre os atores que interpretam Elio e Oliver causa arrepios ao espectador.

Mas o livro tem algo ainda mais forte: ele é intenso. Ele causa dor ao leitor. Ele nos coloca na vulnerabilidade de Elio. Nas suas dúvidas, nos seus anseios, nas suas saudades. Se o filme termina na despedida, o livro vai além. Aos rumos tomados, ao reencontro, ao fogo que ainda não se apagou.

Mesmo que a história de Elio e Oliver em um paraíso italiano se encaixe na prateleira de obra LGBT, Me Chame Pelo Seu Nome é muito mais do que isso. É sobre descoberta, é sobre quebrar a barreira de si mesmo, ir além da grade invisível que cerca o nosso ser.

É sobre amor. Sobre sentir. Sobre ser humano.

Crônicas · Diversos · Língua Presa

Vazio

Penso em festas, bares, reuniões, festivais, protestos, bolsas de valores, redações de jornais, tumultos, casamentos, eventos esportivos e os mais variados tipos de aglomerações, enquanto permaneço deitado nessa cama e a minha única companhia é um pequeno feixe de luz que adentra o quarto pelo furo da cortina, pensando o que estou fazendo com minha vida, observando ela se esvair com o vento que sopra a terra da rua lá fora.

Penso no trajeto percorrido nas noites solitárias de volta para casa, nas bitucas de cigarros jogadas pela janela do carro enquanto passeio pela cidade viva e fervente e meu reflexo no retrovisor me aconselha: não há conforto nesse mundo.

E cada bituca daqueles cigarros que joguei pela janela do carro espalham cidade afora um pouco de mim. Palavras que disse, palavras que não disse, beijos que dei, ideias que tive, cicatrizes da existência que permeiam as minhas veias e que agora estão escancaradas pelo asfalto. O meu “eu” mais particular aberto para quem quiser ver.

Mais tarde, após horas na penumbra, o renascimento. Um banho para lavar a alma. Junto à água e o shampoo que escorrem pelo meu corpo, vejo descer pelo ralo, também, um pouco de mim. Da minha pele, dos meus olhos, da minha boca e de toda a minha estrutura, um pouco vai embora junto às impurezas. Ao final, toda a escuridão se esvai, e sobra apenas o vazio.

(Escrevi esse texto três dias depois de passar horas deitado no meu quarto, em uma crise profunda de tristeza. A escrita salva vidas.)

Diversos · Língua Presa · Música

A Música Pop Perfeita

Já faz algum tempo que gostaria de deixar essa opinião registrada em algum lugar, e como o computador é o parceiro de escrita mais próximo, não há espaço melhor do que aqui. Então, vos digo:

In Between Days, do The Cure, é a música pop perfeita.

Os três minutos cravados de duração, a melodia alegre e dançante misturada à voz dramática de Robert Smith, o refrão de fácil coro e a letra que qualquer pessoa se identifica.

É como se fosse um ponto colorido em meio à discografia preto e cinza do The Cure.

Seja numa festa de apartamento, boate, casamento, karaokê ou qualquer outro tipo de manifestação. Ninguém fica parado ao som happy-sad de In Between Days.

Crônicas · Diversos · Língua Presa · Música

No Limite

Um curto relato.

Aula de Matemática II. Estava usando o kit antissocial na universidade: roupa toda preta, postura desengonçada e fones de ouvido. “Edge of the World”, do Faith No More, tocava no celular.

Presente no clássico The Real Thing (1989), a canção possui uma levada jazzística e a voz de Patton, afiadíssima, proclama os versos que soam como um ritual sedutor entre um homem mais velho e uma jovem e bela mulher.

É daquelas músicas em que não se ouve parado. O corpo, desobediente, balança, a cabeça rodopia, os dedos estalam e os pés tocam um bumbo imaginário. Nesse estado, saí da sala em completo transe musical e fui ao banheiro urinar (deixa eu manter o palavreado moderado).

O resultado da situação, deixo ao leitor que conclua.

Diversos · Garimpo · Língua Presa · Música

Criança de Domingo

Manguebeat. O termo que revitaliza a música brasileira dos anos noventa. Que leva mundo afora a originalidade tupiniquim, o Chico e sua Nação, Fred 04 e o seu Mundo Livre, passeando do underground ao sucesso.

Da ponte aérea SPxPE, conhecemos Criança de Domingo. Escrita por Cadão Volpato, ex-Fellini e que à época liderava o Funziona Senza Vapore (1992), a canção que faz parte do único disco do projeto chegou aos ouvidos de Chico Science por Stela Campos, uma das integrantes da banda. Chico gostou tanto que a regravou para o segundo disco da Nação Zumbi, Afrociberdelia, de 1996.

A original, que só chegou à luz em 2002 (assim como todo o registro do Funziona Senza Vapore), bebe do pós-punk inglês. Já a regravação, mais lenta e melancólica, é moldada à forma do mangue, através de percussão e a guitarra de Lúcio Maia.

Da ponte aérea SPxPE, ganhamos a influência Inglaterra x Brasil. América do Sul x Europa. Tudo em um movimento só.

A música é universal.

Diversos · Música

A Volta do Mr. Bungle

É apenas para o ano que vem, mas já podemos considerar que o MR. BUNGLE ESTÁ DE VOLTA!

Uma das bandas mais inventivas e loucas que já pisaram nesse planeta, o Mr. Bungle foi o principal projeto do Mike Patton por anos, até assumir a frente do Faith No More (e uma infinidade de grupos posteriores).

Anunciado de forma oficial através de uma conta no Instagram, a banda performará, até agora, em seis datas de fevereiro de 2020. Além dos membros da formação original Patton, Trevor Dunn e  Trey Spruance, dois ilustres convidados participarão das apresentações: Dave Lombardo (Slayer, Suicidal Tendencies, Fântomas) e Scott Ian (Anthrax).

Por enquanto, o principal set das apresentações será a demo The Raging Wrath of The Easter Bunny, lançada em 1986 e que é puro death/thrash metal. Uma maravilha!

Diversos · Língua Presa

Nem Tudo Passa

Nem tudo passa. É bom deixar isso bem claro. Nem todas as pessoas superam seus traumas, seus medos, seus demônios. Nem todo mundo encontra o caminho da esperança e da salvação ou alguém para tirá-lo (a) da lama.

Digo que é bom deixar isso bem claro porque estamos acostumados a encarar um mundo de fantasia na maior parte do tempo. Pessoas felizes e saudáveis o tempo inteiro, “gurus” cheios de conhecimento e com soluções para cada problema, seja ele financeiro ou emocional, a famosa “ostentação” de riquezas e viagens e corpos perfeitos. Somos encharcados por esses estereótipos todos os dias em qualquer direção que olhamos. O pior de tudo: muita gente absorve isso. E se sente mal. Incapaz. Inferior.

O livro Quando Os Pêlos do Rosto Roçam No Umbigo, do querido colega e escritor Anton Roos, nos abre os olhos: a vida não é esse conto de fadas que somos forçados a acreditar.

Fonte: Amazon

Andrei, o personagem principal, o conselheiro de puta que navega pelo oceano mais sombrio da consciência, alimentado por fantasmas e temores que o impedem de continuar sua vida com um mínimo de decência, é o espelho da vida humana que não vemos nas redes sociais, nas colunas da elite ou no jornal diário. É a fragilidade que somos forçados a esconder e a condenar quem a expõe. É a sujeira que navega em nosso cérebro em segredo, pois colocá-la para fora fere os bons costumes. É a violência, a raiva, o obsceno, a dor no peito, a angústia de quem sabe que a salvação não existe. É a sombra do ser em seu estado mais natural.

Alguns desses traumas nos acompanham por toda a vida. Muita gente não entende. Muita gente finge que não vê. Muita gente até condena. Mas não se engane: todo mundo, até essa gente, tem um pouco de Andrei dentro de si.

Diversos · Língua Presa · Música

H.

“Então, alguém aí já assistiu aqueles desenhos da Warner Bros? Tem aqueles onde o personagem está tendo dificuldade para tomar uma decisão. Ele tem um anjo em um dos ombros e um demônio no outro. Parece bem óbvio, né? Geralmente, o anjo é o que tenta dar um bom conselho, enquanto o demônio o tenta convencer a fazer algo de mal. Não é sempre assim tão simples. Na maioria das vezes, não são realmente anjos ou demônios. São apenas amigos dando conselho, zelando pelo seu interesse, mas nem sempre entendendo o que pode ser o melhor para você. Então, sobra para você mesmo. Você tem que tomar a decisão por si próprio… Essa canção de chama H.”

“H.” é um dos singles de Ænima, disco do Tool lançado em 1996. Assim como a maioria das canções da banda, é alvo de muitas interpretações. O texto acima foi uma possível explanação que Maynard J. Keenan, vocalista do grupo, deu antes de tocá-la em um show.

Parafraseando o que ele disse acima, “você  tem que tomar a decisão por si próprio”. Tire você mesmo sua conclusão.