Garimpo · Língua Presa · Música

Estático

Toda uma áurea ronda o auto-intitulado disco de estreia do Foo Fighters, lançado em 1995. Considerado por muita gente como o melhor trabalho de Dave Grohl pós-Nirvana, tem como principal chamariz o fato de Dave ter gravado quase todos os instrumentos em apenas uma semana.

Imagina: são doze canções em que o rapaz gravou todas as linhas de guitarra, baixo e bateria, além dos vocais. É um feito que impressiona qualquer um e que resultou em um disco cru, potente, raivoso e que serviu como porta de entrada para uma carreira muito bem sucedida.

Destaquei a palavra quase ali em cima porque é muito comum ler por aí que Dave Grohl gravou 100% do álbum, o que não é verdade. Ele teve uma ajuda, mesmo que pequena, de uma figura chamada Greg Dulli, líder de outra banda que adoro, a The Afghan Whigs.

Durante as gravações do Foo Fighters (disco), Greg estava no estúdio de bobeira, quando foi chamado por Dave para participar do processo. Sua parte foi tocar uma das linhas de guitarra de X-Static, que por coincidência, é uma das melhores do álbum.

Confira abaixo.

Diversos · Língua Presa · Música

H.

“Então, alguém aí já assistiu aqueles desenhos da Warner Bros? Tem aqueles onde o personagem está tendo dificuldade para tomar uma decisão. Ele tem um anjo em um dos ombros e um demônio no outro. Parece bem óbvio, né? Geralmente, o anjo é o que tenta dar um bom conselho, enquanto o demônio o tenta convencer a fazer algo de mal. Não é sempre assim tão simples. Na maioria das vezes, não são realmente anjos ou demônios. São apenas amigos dando conselho, zelando pelo seu interesse, mas nem sempre entendendo o que pode ser o melhor para você. Então, sobra para você mesmo. Você tem que tomar a decisão por si próprio… Essa canção de chama H.”

“H.” é um dos singles de Ænima, disco do Tool lançado em 1996. Assim como a maioria das canções da banda, é alvo de muitas interpretações. O texto acima foi uma possível explanação que Maynard J. Keenan, vocalista do grupo, deu antes de tocá-la em um show.

Parafraseando o que ele disse acima, “você  tem que tomar a decisão por si próprio”. Tire você mesmo sua conclusão.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #05: A Perna Esquerda de São Victor

Era noite de 30 de maio de 2013, uma quinta-feira, mais precisamente aos 48′ do segundo tempo de uma partida de quartas-de-final da Copa Libertadores da América, quando Victor eternizou a sua passagem pelo Atlético-MG. Riascos foi despretensioso e parou na perna esquerda do arqueiro atleticano. Daquele momento em diante, o Galo só sossegou ao erguer a taça no Mineirão. Daquela quinta em diante, Victor virou santo.

Hoje, quase seis anos depois, o panorama pode até ser diferente, mas a situação é parecida. O dia é 28 de maio, também à noite, numa terça-feira. A competição é de “segundo escalão”, segundo o preside(a)nte(a) do clube, mas não para o torcedor. É um troféu que ainda não consta na galeria. A Sul-Americana. Cairia como uma luva para salvar esse ano desastroso do time

Com uma exibição fraquíssima da equipe, o garoto Alerrandro entra para evitar a vergonha de ser eliminado em casa durante os noventa minutos pelo modesto Unión La Calera, do Chile. Com 1×1 no agregado, tudo será decidido nos pênaltis. E disso, São Victor entende muito bem. E fez valer a sua alcunha santificada.

O goleiro alvinegro pegou todos os três pênaltis do time chileno. O segundo, por incrível semelhança, foi cobrado no meio do gol e São Victor defendeu com a perna esquerda. Na última vez que ele fez algo do tipo em uma competição continental, a taça veio para a Cidade do Galo, como disse no primeiro parágrafo.

Espero que tal fato vá além de uma mera coincidência, e que São Victor tenha o prazer de levantar mais um troféu com essa camisa tão gloriosa.

 

 

 

Diversos · Língua Presa · Música

Cadeira de Balanço

Minha mãe adorava “Rockin’ Chair”, do Oasis, mesmo entendendo apenas o all my life de uma das estrofes.

Presente na coletânea The Masterplan, de 1998, é uma canção enérgica, empolgante e que transmite um prazer em estar vivo que dispensa qualquer entendimento de inglês para se sentir bem. Parte dessa beleza vem da voz de Liam Gallagher, que atingiu seu auge no final da década de noventa.

Ouvi-la hoje em dia é como sentir a presença dela no mesmo ambiente.

Alguns anos mais tarde, Rod Stewart incluiu uma versão cover em sua coletânea The Rod Stewart Sessions 1971–1998, de 2009. Incrivelmente, ficou muito boa.

Diversos · Língua Presa

Entre o céu e o inferno

Um piscar de olhos é a distância entre o céu e o inferno.

Tem quem tome remédios. Leia uma piada. Faça sexo. Ligue para a mãe. Converse com um amigo. Transe com um amigo. Converse com a esposa ou marido. Assista alguma comédia pastelão. Deite no sofá e durma. Brinque com o cachorro. Acaricie o gato. Coma. Viaje. Saia correndo. Saia para beber. Vá ao médico. Ao mercado. Ao pet shop. Ao Instagram. À desilusão. À fantasia. Ao embate. Não importa.

A fuga é tola quando o inimigo vive dentro da própria cabeça. Céu e inferno estão lado a lado. Pisque os olhos e acorde. Você escolhe em qual hemisfério viverá.

 

Diversos · Língua Presa

Meus Vinte e Seis Anos

“O meu pai sempre dizia: quero ver você doutor. Minha irmã sempre a escutar: quero ver você casar[…] Eu, sem caminho ou qualquer profissão.”

A realidade não é tão dura quanto na música. Os vinte e seis anos chegaram, disso não tem como escapar, mas meu pai nunca exigiu que eu fosse algo que não quisesse.

O caminho existe, apesar de vê-lo, por enquanto, apenas à distância. Falta ainda a direção. Falta sair da região chamada “conforto” e mudar para um país distante, chamado “criatividade”.

Eu, agora aos vinte e seis anos, gostaria de ter tido minha mentalidade atual há dez anos. Gostaria que pessoas que fizeram parte da minha adolescência me conhecessem hoje, que pessoas da família me vissem como sou hoje, que meu pai tivesse a chance de ver onde estou. Com muito caminho a ser desvendado.

 

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #04: Soberba

Demos mole“. Assim, de forma resumida, foi a explicação de Renato Gaúcho para a virada que seu time levou EM CASA para o Fluminense, após abrir um 3×0 com meia hora de jogo. No final, 4×5 para os cariocas.

Soberba. Esse é o nome da praga que está enraizada no futebol brasileiro e que nos faz estagnar. Até os vizinhos sul-americanos apresentam equipes melhores treinadas do que aqui no “país do futebol”.

Foi assim, bastante soberbo, que o Felipão explicou o 1×7 na entrevista pós-jogo. Não foi mérito do adversário e nem erro dele mesmo. Foi “sorte”, algo de outro mundo.

Luxemburgo, desempregado há mais de quinhentos dias e que, a cada nova entrevista, parece que parou no tempo, demonstra a mesma atitude. Tudo que conhecemos atualmente no futebol foi graças a ele, nada do que acontece é novidade. Ele é o maior técnico que existe no planeta e está desempregado há tanto tempo… bem, talvez porque está “dando mole” em seus últimos trabalhos.

Por isso Fernando Diniz, Sampaoli e outros técnicos que tentam novas maneiras de jogar aqui no Brasil têm tanta dificuldade e gente torcendo contra. A zona de conforto e a soberba falam mais alto.

Diversos · Música

Tristessa

Tristessa é a quinta obra de Jack Kerouac que leio. Foi publicada originalmente em 1960, baseada em experiências reais do autor, que durante uma viagem à Cidade do México, apaixonou-se por uma prostituta índia chamada Esperanza.

Esperanza virou Tristessa, e as aventuras em uma Cidade do México marginalizada foram transformadas em um dos relatos mais honestos e comoventes de Kerouac, que transforma dor, solidão e sofrimento em cenários cheios de vida, ambientes alucinantes e personagens comoventes, cada qual com suas particularidades, tudo isso em seu já habitual ritmo frenético de escrever.

Além de Tristessa, li On The Road, Big Sur, Satori Em Paris e O Livro Dos Sonhos, todos recomendadíssimos.

Billy Corgan, líder do The Smashing Pumpkins, escreveu uma canção baseada em Tristessa para o disco de estreia da banda, Gish, lançado em 1991. Confira abaixo.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #03: José Maria Pena

Foi com pesar que li sobre o falecimento do grande José Maria Pena, figura que está na história dos dois alvinegros que torço: o Galo e a Pantera.

Como jogador, foi revelado nas categorias de base do Atlético-MG e jogou na equipe de 1968 a 1973, fazendo parte do time campeão nacional em 1971.

Como técnico, destaco sua passagem pelo Democrata-GV em 2007, naquele que considero o último grande time da Pantera, semifinalista do Campeonato Mineiro e campeão do interior. Como torcedor do “Demo”, é triste lembrar da grande equipe liderada por Vilar, Amilton e Leandro Carrijo e comparar com a atual situação do clube.

Zé Maria também foi o técnico do Democrata em sua melhor campanha até hoje, quando foi vice-campeão de Minas Gerais em 1991, porém, eu ainda não era nascido.

Fica aqui a minha singela homenagem a esse personagem fundamental de momentos gloriosos que, tenho certeza, não serão apagados das mentes dos torcedores.

CAM1971Foto: https://www.futebolinterior.com.br/

Diversos · Língua Presa · Música

Domingo de Páscoa

“Domingo de Páscoa”, do álbum Só Vive Duas Vezes, do Fellini. Já escrevi um breve texto sobre o disco aqui.

Cadão Volpato é ótimo em criar cenários em suas canções, mesmo com letras tão desconexas. E a canção tem tudo a ver com o feriado do final de semana.

O blog retorna após o mesmo, na segunda. E lembre-se: depois do domingo de páscoa, a segunda é o dia. Tudo volta ao normal.

“Depois do Domingo de Páscoa,
Segunda é o dia
Olhar uma por uma todas as quaresmeiras
É só o galo cantar e acordar o seu Pinto
Não é todo dia que se tem a vida inteira
O sol se levanta quando alguém cai da cama
As mulheres correndo que o ônibus vem vindo
Os judeus numa boa e os cachorros latindo”