Crônicas · Diversos · Língua Presa · Quarta Parede

Poema de “Paterson”

Poema de Amor

Nós temos muitos fósforos em nossa casa.
Sempre estamos com eles em mãos.
No momento, nossa marca preferida é Ohio Blue Tip,
mas antes gostávamos da marca Diamond.
Isso foi antes de descobrirmos os fósforos da Ohio Blue Tip.
São caixinhas resistentes, pequenas, com rótulos azul-marinho, azul-celeste e brancos,
com palavras escritas no formato de um megafone,
como se fosse para gritar ainda mais alto ao mundo:
“Aqui está o mais lindo fósforo do mundo,
de 3,8cm de pinho macio
com uma cabeça roxa-escura granulada, tão contida e furiosa
e teimosamente pronta para entrar em chamas,
acendendo, talvez, o cigarro da mulher que você ama
pela primeira vez, e nunca foi realmente a mesma coisa
depois disso.
Tudo isso daremos à você.”
Isso é o que você me deu. Eu me torno o cigarro e você o fósforo,
ou eu me torno o fósforo e você, o cigarro,
chamuscando com beijos que ardem na direção do paraíso.

Quarta Parede

Trecho de “Close-Up”, do Abbas Kiarostami

Trecho do julgamento do Hossain Sabzian:

“Cada vez que me sinto triste na prisão, penso no verso do Corão que diz: diga o nome de Alá e o teu coração será confortado. Mas não sinto conforto nenhum. Sempre que estou deprimido ou transtornado, sinto o desejo de gritar ao mundo a angústia da minha alma, os tormentos que passei, todas as minhas tristezas, mas ninguém as quer ouvir. Eis que chega um homem que retrata todo o meu sofrimento nos seus filmes e posso vê-los mais de uma vez. Eles mostram o rosto maligno daqueles que brincam com a vida dos outros, o rico que não presta atenção às necessidades materiais básicas do pobre. Foi por isso que me senti compelido a procurar consolo naquele roteiro. Li-o, e ele traz calma ao meu coração. Diz as coisas que desejei ter expressado.”

Close-Up, Abbas Kiarostami, 1990.

Direto do Forno · Música

Tomahawk – Business Casual (Single)

“Ah, tá de sacanagem!”

Essa foi minha reação quando descobri que o Tomahawk está de volta, já com um single e com a data do novo álbum anunciada. Tonic Immobility chegará em 26 de março pela Ipecac Recordings.

“Business Casual” possui uma linha de baixo maravilhosa, e claro, uma bateria esmagadora, como é de praxe quando se escuta o John Stanier em ação. A voz de Patton então nem precisa de comentários. É incrível como ele só melhora a cada ano que passa.

O Tomahawk é o projeto paralelo do Mike Patton que mais gosto. Mas é injusto chamá-lo de “projeto paralelo”, pois a banda já possui quatro discos de estúdio, sendo que o último, Oddfellows, foi lançado em 2013. Inclusive, tive a honra de vê-los ao vivo nesse mesmo ano, quando vieram no Lollapalooza.

Ano passado foi o Mr. Bungle que voltou às atividades e agora o Tomahawk. Espero que o Fântomas seja o próximo da fila.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #15: Jogo de Churrasco

Foi perfeita a colocação do comentarista do SPORTV durante a transmissão de Juventude x Figueirense na última sexta-feira, dia22:

“Isso tá parecendo um jogo de churrasco.”

Nos últimos 15 minutos de jogo, aconteceu de tudo:

  1. O Figueirense abriu um 0x1 com um gol MUITO irregular, onde a bola saiu E MUITO na linha de fundo e mesmo assim o cara cruzou na cabeça do seu companheiro, que mandou pra dentro. O bandeirinha não viu que a bola havia saído, e claro que o pessoal do Juventude só faltou quebrar ele no pau;
  2. O gol de empate do Juventude saiu de um chutão pra frente e a bola ficou mamão com açúcar pro goleiro catar… Mas ele se enganou com o tempo dela e foi encoberto, deixando o gol vazio para o atacante só empurrar.
  3. A virada veio praticamente no último lance e em mais uma falha horrorosa do goleiro do Figueira, pois o atacante cabeceou fraco e em cima dele, e mesmo assim a bola passou.

Como o 0x0 não servia para nenhum dos times, o jogo virou uma verdadeira pelada. Esquemas táticos foram deixados de lado, zagueiros viraram atacantes, rolou um festival de passes errados, chutes terríveis, as equipes não conseguiam trocar nem dois passes direito, mas mesmo assim, foi uma diversão e tanto.

Melhor para o Juventude, que após essa pelada de churrasco, ainda sonha com o acesso pra Série A. E o Figueirense, coitado, que escapou no ano retrasado, não pode dizer o mesmo da temporada 2021. Eles jogarão a Série C. O Makalister deve estar muito puto com vocês.

Direto do Forno · Música

Cub Scout Bowling Pins – Heaven Beats Iowa (Single)

Duvido que exista alguém tão prolífico em questões artísticas quando Robert Pollard. Não bastasse os vários discos que ele lançou com o Guided By Voices em 2020, o cara também já anunciou mais um projeto paralelo e também soltou o primeiro single dessa empreitada: conheça o Cub Scout Bowling Pins com a canção “Heaven Beats Iowa”, que também levará o nome do primeiro EP do projeto.

Soa como Guided By Voices? Soa. É algo inovador? Não. Mas não importa, é muito bom ver esse camarada na ativa após décadas de carreira e ainda parecendo uma fábrica de canções.

O Cub Scout Bowling Pins lançará seu primeiro EP em 22 de janeiro desse ano.

Direto do Forno · Música

Yungatita – Sigh Guy (Single)

Um ano após lançar Over You, seu EP de estreia, a Yungatita retorna com “Sigh Guy”, single que deve adiantar seu próximo trabalho.

“Sigh Guy” tem um quê anos oitenta meio blasé, com uma guitarrinha funkeada que proporciona uma viagem sonora gostosa. Preguiçosa, mas gostosa. Lembra bastante o CASTLEBEAT.

Aliás, é da Yungatita uma das músicas que mais ouvi no ano passado: “7 Weeks & 3 Days”.

Tá aí mais uma artista que é bom ficar de olho nos próximos anos.

Direto do Forno · Música

O Novo do Our Transient Lives: Daily Loss EP

O nome Daily Loss, título do novo EP do Our Transient Lives, em português seria algo como “perda diária”. Tendo como base um poema visto na biblioteca pública de Indianápolis, Jared Rosdeutscher criou essa peça carregada de melancolia. Todos os dias perdemos alguma coisa, desde objetos banais até pessoas ou a si mesmo.

É um tipo de música que eu indicaria para os fãs de música ambient sem titubear, mas é bom cuidar com a tristeza que a cerca. Vai além da hipnose. Os pianos ao fundo de “First the Hour, Then the Day” explicitam isso. “Small the Daily Loss Appears” é como um sopro interminável e aos poucos cada elemento ao redor vai aparecendo, desde o baixo até ecos de guitarra, mas que vão embora em poucos instantes.

O encerramento com “Yet It Soon Amounts to Years” trouxe à minha mente “Wallace”, a minha música favorita da trilha sonora do Blade Runner 2049. Ouça as duas e perceba a semelhança.

Daily Loss é o primeiro trabalho que ouço desse projeto e gostei da forma como Jared monta suas peças, sabendo encaixar todos os detalhes nos momentos certos. Se ele traz a palavra “perda” em seu título, afirmo que tempo é algo que não foi perdido durante a audição desse EP.

Como é doce (e traiçoeira) a beleza da melancolia.

Esse é o poema citado no início do texto:

“Time by minutes slips away
First the hour, then the day
Small the daily loss appears
Yet it soon amounts to years”
-Ronald Tierney

1.Time By Minutes Slips Away
2. First the Hour, Then the Day
3. Small the Daily Loss Appears

4. Yet It Soon Amounts to Years

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Last Victorian Death Squad – LVDS EP

Na maioria das vezes, discos de shoegaze causam sensações estranhas em mim. Gostosas, mas estranhas. Um mix de nostalgia com melancolia, como se à medida que o som passa pelos ouvidos, toda aquela barulheira pudesse ser vista em forma de memórias.

Mas ouvindo o relançamento do primeiro EP do Last Victorian Death Squad, LVDS, pela ótima e já citada gravadora Shore Dive Records, a sensação foi diferente. Não foi uma ode ao passado, e sim uma vista diferente para os próximos dias. Um ânimo a mais, um despertar súbito à la Jack Kerouac sobre o momento atual da vida e o que posso fazer para melhorá-la.

“Alice” honra as “músicas com nome de pessoas” e é uma bela introdução, com guitarras soando seu feedback em alto e bom som, enquanto o vocalista declama seus versos com uma empolgação muito natural.

O que vem em seguida é “Bad Bones” e dadas as devidas proporções, é como se a imposição daquele Oasis do início dos anos 2000 tivesse baixado no Last Victorian Death Squad. A canção é levada em um ritmo menos acelerado, mas ainda barulhento, como deve ser.

As duas faixas que completam o EP, “Acid” e “Devil”, continuam a soltar uma tempestade de cordas nos ouvidos, e como uma boa banda de shoegaze sabe fazer, a bateria continua ali fazendo seu trabalho, na dela, apenas mantendo a corrente e o vocal, também paciente e calmo (na contramão das cordas), vai dizendo o que é preciso colocar para fora.

Aqui eu repito o mesmo comentário que mandei para o pessoal da Shore Dive pelo Instagram: “pelo amor de deus, isso é uma das melhores coisas que ouvi nos últimos meses.

E como gosto de deixar bem claro, digo isso sem exageros.

Crônicas · Língua Presa · Música

Até Que Enfim Ouvi A Guitarra do Jimi Hendrix Falar

Lembro que meu pai costumava colocar o Electric Ladyland em CD para tocar em algumas tardes (tenho o CD até hoje), e toda vez que “All Along The Watchtower” começava a tocar, ele falava:

-Esse cara é o maior de todos os tempos. O único que conseguiu fazer uma guitarra falar.

O solo dessa música é fantástico mesmo, mas admito que o lance da “guitarra” falar” não entrava em minha cabeça. Não parecia com algo sendo falado, apenas mais um som maravilhoso que aquele cara sabia fazer com os seus dedos.

Mas a teoria do meu pai se cumpriu no dia 14 de dezembro de 2020, enquanto eu limpava a casa. Foi com uma versão rara de “Spanish Castle Magic” que encontrei no Youtube, já que a original de estúdio não está lá. Em certo momento da música, Hendrix estava tratando tão bem as cordas de sua guitarra, que o som mais parecia uma voz falando do que qualquer outra coisa.

Agora sim posso dizer: até que enfim ouvi a guitarra do Jimi Hendrix falar!

Direto do Forno · Música

Shaylee – Audrey/Walking at the Ball (Singles)

Meu primeiro contato com o trabalho da Shaylee foi nesse cover de “Alphabet Town”, do Elliott Smith, que foi lançado em comemoração do aniversário póstumo do cara.

Ao final do mês passado, a artista lançou mais um compacto pela Kill Rock Stars com dois singles, “Audrey” e “Walking at the Ball”, ambas canções sobre pessoas trans que já deixaram esse planeta. É bom dizer que o compacto saiu justo na data de comemoração do Dia Internacional da Memória Transgênera.

As duas canções possuem uma forte carga emocional, mas “Audrey” é de um nível muito acima da média. Já perdi as contas de quantas vezes essa música tocou aqui nos últimos dias.

Informações mais detalhadas sobre as histórias por trás das duas músicas estão no Bandcamp dela.