Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Last Victorian Death Squad – LVDS EP

Na maioria das vezes, discos de shoegaze causam sensações estranhas em mim. Gostosas, mas estranhas. Um mix de nostalgia com melancolia, como se à medida que o som passa pelos ouvidos, toda aquela barulheira pudesse ser vista em forma de memórias.

Mas ouvindo o relançamento do primeiro EP do Last Victorian Death Squad, LVDS, pela ótima e já citada gravadora Shore Dive Records, a sensação foi diferente. Não foi uma ode ao passado, e sim uma vista diferente para os próximos dias. Um ânimo a mais, um despertar súbito à la Jack Kerouac sobre o momento atual da vida e o que posso fazer para melhorá-la.

“Alice” honra as “músicas com nome de pessoas” e é uma bela introdução, com guitarras soando seu feedback em alto e bom som, enquanto o vocalista declama seus versos com uma empolgação muito natural.

O que vem em seguida é “Bad Bones” e dadas as devidas proporções, é como se a imposição daquele Oasis do início dos anos 2000 tivesse baixado no Last Victorian Death Squad. A canção é levada em um ritmo menos acelerado, mas ainda barulhento, como deve ser.

As duas faixas que completam o EP, “Acid” e “Devil”, continuam a soltar uma tempestade de cordas nos ouvidos, e como uma boa banda de shoegaze sabe fazer, a bateria continua ali fazendo seu trabalho, na dela, apenas mantendo a corrente e o vocal, também paciente e calmo (na contramão das cordas), vai dizendo o que é preciso colocar para fora.

Aqui eu repito o mesmo comentário que mandei para o pessoal da Shore Dive pelo Instagram: “pelo amor de deus, isso é uma das melhores coisas que ouvi nos últimos meses.

E como gosto de deixar bem claro, digo isso sem exageros.

Crônicas · Língua Presa · Música

Até Que Enfim Ouvi A Guitarra do Jimi Hendrix Falar

Lembro que meu pai costumava colocar o Electric Ladyland em CD para tocar em algumas tardes (tenho o CD até hoje), e toda vez que “All Along The Watchtower” começava a tocar, ele falava:

-Esse cara é o maior de todos os tempos. O único que conseguiu fazer uma guitarra falar.

O solo dessa música é fantástico mesmo, mas admito que o lance da “guitarra” falar” não entrava em minha cabeça. Não parecia com algo sendo falado, apenas mais um som maravilhoso que aquele cara sabia fazer com os seus dedos.

Mas a teoria do meu pai se cumpriu no dia 14 de dezembro de 2020, enquanto eu limpava a casa. Foi com uma versão rara de “Spanish Castle Magic” que encontrei no Youtube, já que a original de estúdio não está lá. Em certo momento da música, Hendrix estava tratando tão bem as cordas de sua guitarra, que o som mais parecia uma voz falando do que qualquer outra coisa.

Agora sim posso dizer: até que enfim ouvi a guitarra do Jimi Hendrix falar!

Direto do Forno · Música

Shaylee – Audrey/Walking at the Ball (Singles)

Meu primeiro contato com o trabalho da Shaylee foi nesse cover de “Alphabet Town”, do Elliott Smith, que foi lançado em comemoração do aniversário póstumo do cara.

Ao final do mês passado, a artista lançou mais um compacto pela Kill Rock Stars com dois singles, “Audrey” e “Walking at the Ball”, ambas canções sobre pessoas trans que já deixaram esse planeta. É bom dizer que o compacto saiu justo na data de comemoração do Dia Internacional da Memória Transgênera.

As duas canções possuem uma forte carga emocional, mas “Audrey” é de um nível muito acima da média. Já perdi as contas de quantas vezes essa música tocou aqui nos últimos dias.

Informações mais detalhadas sobre as histórias por trás das duas músicas estão no Bandcamp dela.

Direto do Forno · Música

shame – Alphabet/Water In The Well (Singles)

O shame faz um punk rock dos bons, enérgico e agressivo na medida certa. Ou ao menos é o indicativo de seu próximo álbum, que já conta com dois singles.

Se “Alphabet” é aquela que vai direto ao ponto, com pouco menos de três minutos ininterruptos de barulho, “Water In The Well” é mais gostosa de ouvir, já que as guitarras são compostas por levadas mais dançantes, mas sem perderem o peso.

Drunk Tank Pink sairá pela Dead Oceans em 15 de janeiro do próximo ano.