Garimpo · Música

Algumas Dicas Ambient

Fazer música é uma árdua tarefa, que exige concentração, dedicação, intuição, conhecimento e bastante criatividade. Trabalhar em cima de algo que irá mexer com emoções de outras pessoas com o uso de melodias e palavras já é difícil, imagina uma composição instrumental.

Assim é a música ambient, repleta de ecos, efeitos, ornamentos vocais, sequências repetitivas e tudo mais o que o artista quiser implementar em sua música, porém, em sua maioria, sem palavras cantadas.

Gosto muito de ouvir discos nesse estilo em momentos de leitura ou reflexão. Ao fumar um cigarro e sentar na área externa da casa, por exemplo, ou durante uma madrugada silenciosa. E por ser uma vertente musical tão rica e repleta de compositores inventivos, tornou-se uma das minhas favoritas.

Abaixo estão três discos ambient que garimpei recentemente e que muito me agradaram. Se o EP Kill, do John Bence, possui uma abordagem mais voltada para o gótico e com um clima mais sombrio, o Apartment Loops Vol. 1 do italiano Bruno Bavota é de uma sensação mais sublime, como se o ouvinte flutuasse nas nuvens.

Por fim, trago o disco de estreia do Ghost Lode, chamado Lenten Distance. Esse é o projeto solo de Matt Weed, guitarrista da banda Rosetta. Seu debut é composto por seis belas e melancólicas peças acústicas com um ar de space rock. Creio que se o espaço tivesse som, seria algo do tipo.

Espero que o leitor faça bom proveito.

 

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #13: Grande Otero e a Imprensa

Tá quase fechado o negócio entre o Galo e o Corinthians envolvendo o meio-campista venezuelano Otero, que ficou sem espaço no clube mineiro após a chegada do Sampaoli.

A imprensa está a todo vapor com tal transação, com muitos jornalistas afirmando como o Corinthians está fazendo um excelente negócio e que o Otero vai chegar pra ser titular. Calma, pessoal, ele não é tudo isso.

Eu sou atleticano e vejo os jogos, e afirmo: Otero não é tudo isso que aparece nos highlights. Nem de longe.

Ele bate falta bem? Sim, demais, é um exímio cobrador, mas são dez cobranças para um gol, praticamente. Mais nada. Não dribla, não cria uma jogada. Ele tem raça, vontade, corre demais durante o jogo, mas não é o suficiente para esse endeusamento todo.

Para mim, as opiniões desses “especialistas” só provam o quanto esses caras são mal informados e se baseiam em vídeos de “melhores momentos” para justificar seus argumentos.

Deixa o Otero chegar lá e vocês verão. A corneta vai soar sem parar nas primeiras partidas em que o encanto desaparecer.

Direto do Forno · Música

CASTLEBEAT – TI​-​83 (Single)

CASTLEBEAT é o pseudônimo usado por Josh Hwang para distribuir suas músicas internet afora, e além disso, o cara também gerencia o selo Spirit Goth, voltado para a produção de canções lo-fi com as mais variadas influências.

A mais recente obra de sua discografia é a canção “TI-83”, disponibilizada como single no início desse mês. Misturando elementos do lo-fi hip hop, chillout e até o shoegaze, com a voz calma e quase sussurrada envolta em texturas sonoras e batidas repetitivas, é daquelas canções que caem muito bem numa madrugada solitária e melancólica.

Outra música do projeto que recomendo sempre que posso é “80’s High School”, lançada em janeiro desse ano e que aparece bastante em minhas audições diárias. Você a encontra na página do Bandcamp do CASTLEBEAT ou no Youtube.

Crônicas · Diversos · Língua Presa · Quarta Parede

O Povo Contra Larry Flynt

Uma provocação:

Larry Flynt é um dos nomes mais poderosos do entretenimento adulto estadunidense (Quando digo entretenimento adulto, leia pornografia pesada mesmo, não precisa ficar com vergonha.) É o fundador da LF Publications, cujo carro-chefe de maior nome é a revista Hustler. O filme é de 1996, mas a história acontece nas décadas de 70 e 80, retratando o início de sua trajetória e suas duras batalhas contra o lado conservador americano, que queria proibir a distribuição de sua revista. Flynt até sofreu um atentado de um louco da supremacia branca, fato esse que o deixou paraplégico.

Porém, o foco principal é o famoso imbróglio judicial entre ele e um pastor lá que o acusou de difamação e outras coisas. Para sua defesa, Flynt abraçou um trecho da lei americana que protege o direito do cidadão de expressar-se livremente, e era isso que incomodava os puritanos, que questionavam como uma revista “suja” circulava assim pelo país sem nenhum pudor, com o risco de poluir a mente das criancinhas e blábláblá. Interessante ressaltar aqui que até seu advogado dizia que não era apoiador da revista Hustler e dos outros conteúdos produzidos pela empresa, mas que defenderia sempre o direito da livre expressão das pessoas.

Agora, estamos em 2020 e essa história parece que jamais envelheceu. Do contrário, só piorou. Aquele pessoal que se considera puro e correto até hoje faz suas artimanhas para atacar o que não os convém. O caso da Natura é um ótimo exemplo, e não, não uso Natura e nem sei qual o cheiro daqueles trem. A questão é que eles se incomodaram com a figura usada na propaganda, mas nos bastidores dessas casas tão bonitas e limpas, sabemos bem muito do que acontece.

Imagine um cenário onde Larry Flynt seria candidato à presidência do Brasil sil sil. Qual lado o apoiaria, a direita defensora dos bons costumes (duvido muito) ou a esquerda festiva (como diria Vitor Brauer) que muda suas lutas todo dia, que o usariam como arma de combate e logo buscariam podres do cara (que com certeza devem existir) para derrubá-lo em seguida?

Direto do Forno · Música

Mr. Bungle – Raping Your Mind (Single)

Foram mais de duas décadas sem lançar nenhum material inédito, mas o Mr. Bungle ressuscitou em pleno 2020 e esse panorama começou a mudar. Em junho saiu “U.S.A.”, um single avulso lançado com o objetivo de arrecadar fundos para uma campanha contra a covid-19. E em outubro, mais uma novidade chegará.

Não é algo tão novo assim, pois trata-se de uma regravação da demo The Raging Wrath Of The Easter Bunny, lançada pela primeira vez lá em 1986. Agora repaginada, com a entrada de Dave Lombardo e Scott Ian, duas lendas do heavy metal mundial, a banda fará uma nova versão dessa demo e também gravará algumas canções criadas naquele tempo, porém nunca antes trabalhadas.

O primeiro pedaço desse tão aguardado presente é “Raping Your Mind”, uma pedrada nos tímpanos do ouvinte que o deixa até atordoado. E como é bom ver Mike Patton cinquentão em plena forma.

No dia 30 de outubro, aniversário do meu tio Rogério, o disco chega por completo pela Ipecac.

Garimpo · Música

Garimpo: Shaylee – Alphabet Town (Elliott Smith Cover)

Shaylee é o projeto da Elle Archer, cantora e multi-instrumentista de Portland, uma das terras mais frutíferas da música alternativa estadunidense, e que está presente no catálogo do selo Kill Rock Stars, assim como o material do Elliott Smith, o deus sad-folk que nos deixou no início dos anos 2000.

Para homenagear o cara, que por coincidência ou não, completaria 51 anos na última semana, Shaylee coverizou “Alphabet Town”, canção do disco homônimo de 1995.

A versão atualizada ganhou um tom mais visceral e rock’n’roll, algo que deixaria o homenageado satisfeito e lisonjeado.

Língua Presa · Música

30 Anos do “Bossanova”

Mais um grande disco dos anos noventa completa um aniversário expressivo nesse ano. Bossanova pode não ser o mais aclamado pela imprensa, mas no meu particular, é o melhor álbum dos Pixies, daquele que não se pula uma única faixa.

Grande parte das minhas músicas favoritas da banda estão nele, como “Velouria”, “All Over The World” e a deliciosa peça final, “Havalina”. Porém, a minha preferida de toda a discografia é “The Happening”, onde Frank Black narra de uma forma brilhante como seria se ele avistasse um OVNI pairando em sua frente.

De Bossanova em diante a tensão entre Black e Kim Deal ganharam proporções impactantes para a trajetória da banda, tanto que na atual formação, Deal não faz mais parte.

E infelizmente, esse foi o último grande disco deles.

Língua Presa · Música · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #12: Bring It On Down

Futebol e música andam de mãos dadas tem um bom tempo. Canções de torcida, hinos, músicas na cultura pop (tem aquela do Skank, tem a do Fio Maravilha, etc.), enfim, o que não faltam são exemplos de como essas duas paixões se unem.

Tem um caso que gosto bastante, que é o fanatismo dos irmãos Gallagher pelo Manchester City. Pode-se dizer que ali são torcedores raiz mesmo, daqueles que apoiam o clube em qualquer momento e que odeiam com todas as forças o maior rival.

Tava assistindo hoje Manchester City x Real Madrid pela Champions League e como os jogos estão ocorrendo de portões fechados, dá pra ouvir quase tudo que se fala em campo. Durante o intervalo da partida, deu pra ouvir que nos alto-falantes do Etihad Stadium tava tocando “Bring It On Down”, uma das músicas mais rock’n’roll do Oasis, presente no Definitely Maybe, de 1994.

Não dá pra afirmar que isso afetou em algo, mas o City venceu por 2×1 e avançou de fase. E para mim, é um dos candidatos mais fortes ao título, apesar de não gostar nem um pouco dele e da outra modinha chamada PSG, também um forte candidato.