Direto do Forno · Música

O Novo do Ruby Haunt: Tiebracker

Na mitologia nórdica, Hugin e Munin são os corvos e fiéis escudeiros de Odin, que sobrevoam por toda Midgard e retornam com informações importantes para seu mestre. Traduzidos, seus nomes significam memória e pensamento.

O que seria do ser humano sem suas memórias e seus pensamentos? Mesmo que doam, mesmo que sejam pesados, fúteis ou impróprios, mesmo que tragam sensações nada agradáveis, não dá para viver sem eles, muito menos apagá-los por completo.

É nesse campo que o Ruby Haunt acerta, já que suas canções, carregadas de emoção e nostalgia, levam o ouvinte à pontos sensíveis. Ouvir uma música como “Avalon”, por exemplo, é caminhar no limite da vulnerabilidade. É aquela sensação gostosa de satisfação misturada com a dor de algumas lembranças.

Tiebreaker saiu do forno no último dia 29 e recomendo cautela na primeira audição, pois sua forma continua quente no que corresponde à emoções.

É um álbum sem firulas, são oito belas canções com o mínimo de exageros, tudo funciona muito bem direto ao ponto. De grosso modo, as músicas começam, terminam, a próxima começa a tocar e assim vai, como se elas não dependessem do todo para funcionar. As que possuem o violão acústico mais presente, como “April Second”, são as que mais me agradaram.

Um trabalho para ouvir e sentir, apenas. Pode machucar um pouco, mas vai cicatrizar, não se preocupe.

1. River
2. Carrie
3. Avalon
4. Splinters
5. April Second
6. Prairie Fire
7. Rest Stop
8. Weathervane

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s