Direto do Forno · Música

A estreia do Ryte

Para quem gosta de música pesada, esse álbum é um deleite.

O Ryte é um quarteto norte-americano que bebe direto das profundas fontes do stoner e seus derivados. O disco de estreia leva o nome da banda e é composto por quatro canções somente, chegando perto dos quarenta minutos de duração.

São músicas longas e instrumentais em sua maior parte. Para ser mais exato, são raros os momentos em que os vocais aparecem. Aliando duas guitarras afiadas, um baixo certeiro e uma bateria incansável, o disco flerta com o rock psicodélico, o heavy metal mais clássico e o doom metal, provando que a escola fundada pelo Black Sabbath rende frutos primorosos até os dias atuais.

RYTE foi lançado em 17 de janeiro desse ano pela Heavy Psych Sounds Records.

1. Raging Mammoth
2. Shaking Pyramid
3. Monolith
4. Invaders

Crônicas · Língua Presa · Música

Factótum

Factótum, por definição gramatical, é o indivíduo cuja função é ocupar-se de todos os afazeres de outrem. No português ainda mais claro, é o famoso faz-tudo, o Severino. O mesmo Severino que Gláuber Rocha disse ser a imagem do povo brasileiro, e que Makalister sampleou de forma brilhante.

Factótum também é o título do segundo romance do Bukowski, publicado em 1975. Entre bebedeiras, relacionamentos desastrosos e empregos dos mais variados tipos, o livro nos apresenta o submundo das cidades grandes, aquele em que os cartões-postais fazem questão de ignorar. Aqui, o personagem principal não deixa de ser um Severino, e mostra que não há glamour algum nas suas misérias.

Em resumo, não importa se o Severino é brasileiro ou americano, as dificuldades (que vão muito além da falta de interesse, como o personagem do livro) são quase as mesmas.

Trocando a chave, se eu pudesse dizer um faz-tudo na música… Bem, esse, ao contrário do já discorrido, seria alguém recheado de glamour. Quem mais foi capaz de transitar entre a soul music, a música eletrônica, o krautrock, o glam, o funk, o folk e o jazz de forma tão brilhante quanto David Bowie? É possível citar ao menos um disco dele em cada um desses estilos cujo nível é o mais alto possível. Além disso, é notória a sua influência em campos que ultrapassam as barreiras musicais, como a moda, por exemplo.

Um verdadeiro Factótum.

Direto do Forno · Música

Brant Bjork – Jungle In The Sound (Single)

Pouco mais de um ano após o lançamento de seu último de inéditas, Brant Bjork, uma das figuras máximas do rock do deserto, deixa engatilhado mais um trabalho.

Auto-intitulado, o novo disco ganha luz em 10 de abril desse ano, mais uma vez pelo ótimo selo Heavy Psych Sound Records, uma das casas mais influentes do stoner rock mundial. O primeiro aperitivo é “Jungle In The Sound”, contendo a já conhecida mistura de riffs pesados com o gracejo do funk rock. É como consta no release do disco, só de ouvir a canção, já dá pra saber de quem é, mesmo sem informação alguma a respeito.

Sobre seu último álbum, Mankind Woman, escrevi sobre ele aqui. Uma boa hora para revisitá-lo.

Direto do Forno · Música

Emancipator – Labyrinth (Single)

Contrariando o sentido mais conhecido de um labirinto, a música do Emancipator não deixa o ouvinte perdido e nem tem a intenção de desorientá-lo. Seus versos em forma de batidas orientam, acalmam, trazem respiro a quem os ouve. E emociona.

A sensação é de voar entre os pingos da chuva, ver o mundo inteiro do alto, sem interferência urbana alguma. No labirinto do Emancipator não há buzinas, vozes altas, fumaça, pressa, ansiedade, não há qualquer resquício dessa vida moderna que nos aprisiona.

“Labyrinth” é o primeiro fragmento de Mountains of Memory, o novo disco do artista, que sairá do forno em 20 de abril, pela Loci Records.

Para quem acompanhou seu último trabalho, o EP colaborativo com o 9 Theory (leia sobre aqui), é possível ter uma noção do que virá nesse novo disco.

Direto do Forno · Garimpo · Música

Garimpo: Lou Karsh – Against The Flames EP

Admirável e importante a iniciativa do Lou Karsh, artista australiano que vê seu país enfrentar um verdadeiro apocalipse ambiental, com danos enormes e irreparáveis.

Para levantar fundos e ajudar ao combate dos incêndios na Austrália, o rapaz soltou um EP com quatro ótimas músicas intitulado Against The Flames, e destinará toda a renda das vendas para o combate ao desastre.

Inserido na vertente eletrônica, Lou Karsh mescla várias vertentes do estilo em seu trabalho, variando entre trechos dançantes e batidas pesadas com passagens ambient, às vezes em uma mesma canção.

Vale conferir não só pela causa, mas também pela qualidade do som.

Língua Presa · Não Ao Futebol Moderno

Não Ao Futebol Moderno #09: “Supercopa” da Espanha

Supercopas são disputadas, no geral, entre os campeões dos dois torneios mais importantes de um país: a Liga e a Copa. Se ampliarmos para uma disputa continental, seria a disputa entre o campeão da Champions League/Libertadores contra o vencedor da Liga Europa/Sul-Americana.

Essa competição tornou-se tradicional em vários países mundo afora. Vale taça, grana e rende jogos bons para assistir. Na Inglaterra, por exemplo, é a partida que inaugura a temporada. Nesse ano, o Brasil também terá a sua Supercopa, reformada após vinte e oito anos de ausência do calendário.

Porém, com a ganância humana cada vez mais sem limites, dirigentes conseguiram estragar um torneio tão simples. Entenda:

Na última temporada, o Barcelona faturou o Campeonato Espanhol, enquanto o Valência levou a Copa do Rei. A lógica seria um embate entre as duas equipes para decidirem a Supercopa da Espanha.

Só que a federação espanhola resolveu mudar as regras da competição, transformando a partida única em um quadrangular, inserindo os dois times mais bem colocados na Liga Espanhola (fora o campeão, óbvio, e o possível campeão da Copa) para participarem. Resultado: Real Madrid e seu rival Atlético de Madrid fizeram a final do torneio, eliminando, respectivamente, Valencia e Barcelona.

O curioso é que as duas equipes da capital espanhola não ganharam NENHUM troféu na última temporada, e mesmo assim foram habilitadas a disputarem a taça. Além da mudança no formato, ainda organizaram o torneio para ser disputado na ARÁBIA SAUDITA, país com tradição zero no esporte e bastante contestado por irregularidades referentes aos direitos humanos. Só que os árabes nadam em petróleo e isso gera bastante dinheiro, né. É só juntar os pontos.

Tento não admitir, mas fica cada vez mais difícil não aceitar que esse esporte tão amado chamado futebol está tomado pelo dinheiro quase que por completo.

Só nos resta resistir!

Garimpo · Música

IGOR (Ou A Julgar Pela Capa)

É fim de ano e os veículos musicais ficam afoitos para soltarem suas listas de “melhores do ano”, listas essa que, sabemos, são recheadas de jabá, camaradagem e que pouca coisa realmente difere uma da outra. Mesmo assim, dá pra pincelar aqui e ali um disco que passou batido durante o ano e colocar a audição em dia.

O Floga-se faz anualmente o serviço de compilar essas listas em uma única página, facilitando a vida do leitor. Estava eu dando uma olhada e nada chamou minha atenção, até eu me deparar com essa capa:

tyler-the-creator-igor

Nunca me interessei por uma música sequer do Tyler, The Creator, mas essa capa me pegou em cheio. Monocromática, ambígua e melancólica. IGOR é o nome do disco, e foi escolhido por um site como o melhor do ano. Dei uma chance e a experiência foi… Diferente.

Havia um tempo que não ouvia um disco de rap. Ouvi Blonde, do Frank Ocean, na época de seu lançamento (2016) com o hype altíssimo, e quebrei a cara pela alternância de bons e maus momentos. Mas com IGOR foi diferente, a produção é ótima e o álbum não possui excessos. São doze faixas que, à pedido do próprio artista, devem ser ouvidas em sequência, para que funcionem como uma única e longa história de um personagem afogado em uma paixão doentia, cheia de mágoas, raiva, desespero e que ao final, busca por alento.

É um prato quente para quem gosta de versos pesados, precisos e batidas e samples bem construídos. Certamente irei atrás de mais material desse rapaz.

Quarta Parede

Episódio 8

Para quem esperava, enfim, por alguma resposta, a terceira temporada de Twin Peaks trouxe mais dúvidas do que certezas. Claro que a nostalgia veio junto com a expectativa, mas certo é que esse revival teve uma abordagem bem diferente da original, que já falei sobre aqui.

O oitavo episódio deixou bem claro que Lynch tinha mais liberdade artística para contar a sua história. Pelo que entendi, foi, de certa forma, um bomba atômica que desencadeou o espírito maligno Bob. E todo o surrealismo e desconforto sonoro que vemos durante boa parte desse fragmento da trama é digno de um: “PUTA QUE PARIU, QUE PORRA É ESSA QUE ACABEI DE VER?”

Se você procurar pela internet agora, verá que alguns “gênios” se acharam no dever de tentar explicar tudo o que acontece, sendo que o mais gostoso da obra de Lynch é tirar as suas próprias conclusões, isso quando elas são possíveis. O melhor mesmo é adentrar no seu universo non-sense e deixar-se levar pela correnteza de ideias tortas.

Para completar, o convidado musical da vez foi o Nine Inch Nails, com “She’s Gone Away”, um pedido do próprio David Lynch à Trent Reznor.

Uma verdadeira aula de arte.

Quarta Parede

+2 Filmes: Marilyn Monroe

No último final de semana, reparei um erro terrível que percorria minhas veias a um bom tempo: finalmente assisti Marilyn Monroe atuando. E que surpresa!

De forma aleatória, selecionei dois filmes em que a deusa-mor do cinema atuou e coloquei em cheque o seu talento: Some Like It Hot, de 1959, e The Seven Year Itch, de 1955. Ambos são comédias com boa dose de inocência (até demais por parte das personagens de Marilyn), grandes atuações e o mais importante: piadas e sacadas que realmente são engraçadas. Destaco os monólogos de Tom Ewell interpretando o Sr. Sherman em The Seven Year Itch, um personagem cheio de paranoias e hábitos inusitados.

Voltando à atriz, apesar da nítida e exagerada exploração de seu corpo em cena, com closes provocantes e roupas sensuais, Marilyn performa em alto nível. Seus movimentos, danças e expressões faciais vão muito além de uma atriz que, infelizmente, era taxada no estereótipo tolo da “beleza burra”.

Contudo, o que me fascina é perceber que um filme com mais de sessenta anos de lançamento causa mais graça do que uma “comédia” recente. É de parar e pensar porque o nível caiu tanto com o passar dos anos.